ONG lamenta a matança de mais de 900 cães e critica postura do poder público em Alagoas

ONG lamenta a matança de mais de 900 cães e critica postura do poder público em Alagoas
Testes feitos em cães com suspeita de leishmaniose em Alagoas. (Foto: Divulgação)

Organização Não Governamental (ONG) Pata Voluntária lamentou o destino de mais de 900 cães com Leishmaniose, conhecida como Calazar, que serão sacrificados. A entidade criticou a postura adotada pelo Estado, chamando a atenção para a prioridade do tratamento, ainda que a doença não tenha cura, e citando que o cão também é vítima.

Conforme ressaltou a presidente da ONG, Pali Mondal, não se admite, nos dias de hoje, a priorização do sacrifício, ou seja, mais de 900 animais serem sacrificados, representando, assim, “um descuido por parte do poder público”. Para ela, os cães – ainda que infectados por um doença incurável – podem viver normalmente, por meio de um tratamento adequado.

Como exemplo, Pali Mondal citou que dois cachorros chegaram à ONG com a doença, e a dona de um deles iria sacrificá-lo, o que foi impedido pela entidade. “O outro cachorro veio da rua, onde foi espancado. Diante disso, fizemos todos os exames, inclusive, os testes para a detecção da doença, confirmando a infecção. No momento, eles estão reagindo bem ao tratamento”.

A presidente fala que as principais medidas de prevenção são uso de repelente e de uma coleira específica. O tratamento se dá através de um medicamento chamado Milteforam, praticamente, uma quimioterapia.

“Portanto, não há necessidade de sacrificar os animais, pois eles também são vítimas, e não, os transmissores. Tudo isso é uma questão de saúde pública. O que se deve fazer é combater o mosquito. Não concordo com a eutanásia nos cães, apesar de entender que, em alguns casos específicos, não tem solução”, externou Mondal.

Mais de 900 cães infectados

Uma reportagem publicada pela Gazetaweb, no último fim de semana, revelou que a Leishmaniose encontra-se em situação epidêmica no estado, tendo vitimado fatalmente sete pessoas dos 71 casos confirmados. Além disso, mais de 900 cães serão sacrificados, por serem os principais responsáveis pela hospedagem do parasita.

Segundo informações da infectologista Mardjane Nunes, superintendente de Vigilância em Saúde, a leishmaniose demora meses para se manifestar, o que revela riscos para o animal e o ser humano. A especialista esclarece que tal enfermidade sempre existiu, apresentando curvas crescentes, por alguns períodos, mas nunca se manteve tão presente na vida da população alagoana.

Em 2010, houve uma leve subida da incidência de casos da doença, mantendo-se constante até 2017, quando as ocorrências voltaram a crescer, inclusive, resultando em óbitos. Os motivos que provocaram esse quadro epidêmico ainda são desconhecidos, até mesmo por pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e da Fiocruz, em Pernambuco.

“As causas desse aumento ainda não sabemos. Através de parceria com esses centros de pesquisa, enviamos material para analisar a genética do parasita, se sofreu modificações. Tudo será investigado por sérios e competentes especialistas no caso”, explicou a infectologista, assinalando, na oportunidade, que a situação de epidemia é diferente de uma quadro de surto, visto que este reflete uma “explosão de casos em várias pessoas, em uma mesma localidade e de forma rápida”.

Nota de esclarecimento

Alagoas segue Protocolo do Ministério da Saúde para Controle da Leishmaniose.

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) esclarece que segue rigorosamente todas as medidas preconizadas pelo Ministério da Saúde (MS) para Controle da Leishmaniose, e que as ações são executadas pelas secretarias municipais de saúde onde ocorrem os casos. Cabe à Sesau dar apoio técnico aos municípios, confirmar resultado de exames de animais e humanos através do Laboratório Central de Saúde Púbica (LACEN), bem como a captação, análise e divulgação dos dados, repassados semanalmente ao MS, através do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan). Não cabe à Vigilância Estadual autorizar ou desautorizar os municípios a realizarem qualquer medida de controle preconizada pelo MS.

Dentre as medidas recomendadas pelo MS e em curso nos municípios com registro de casos de Leishmaniose, citam-se as ações de controle do vetor (Flebotominio), sensibilização dos profissionais da assistência para o diagnóstico precoce de casos humanos e controle de hospedeiros infectados (cães).

A eutanásia de animais infectados, preconizada no Protocolo do MS e regulamentada pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária, é recomendada por não haver tratamento eficaz e acessível para o cão e a doença ter alto potencial de letalidade para humanos. As indicações para esta medida em Alagoas estão sendo acompanhadas pelo Ministério Público Estadual (MPE). Caso o dono do animal decida pela tentativa de controle da infecção, terá que se responsabilizar, junto com o veterinário, pelo acompanhamento rigoroso e comunicação imediata em caso de falha no tratamento.

Não acatar as recomendações do Ministério da Saúde, implica em negligência do Estado e dos Municípios com a saúde do dono do animal, seus familiares, vizinhos e população em geral, uma vez que a doença leva a morte, como já ocorreu com 16 alagoanos somente este ano.

Por Jobison Barros

Fonte: Gazeta Web


Nota do Olhar Animal: Os medíocres se apegam a normas injustas para justificar sua ação imoral. É preciso força moral para se contrapor a estas normas, coisa que certamente quem autorizou a matança não têm. Muito triste.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.