ONG precisa de ajuda financeira pra pagar dívida e continuar resgatando animais em Brusque, SC

ONG precisa de ajuda financeira pra pagar dívida e continuar resgatando animais em Brusque, SC
ONG precisa de ajuda financeira pra pagar dívida e continuar resgatando animais. Foto: ACAPRA

A Acapra, uma ONG animal de Brusque, está com dívidas acumuladas após salvar muitos animaizinhos. Para continuar fazendo o trabalho, agora o grupo que precisa de ajuda. O valor da dívida está em R$ 90 mil. Eles fizeram uma vaquinha online pra juntar recursos.

Segundo a vice-presidente, Daniely Melo, a situação da ONG é “muito complicada, principalmente na questão financeira”. Ela conta que desde o começo tiveram dificuldades, pois os gastos sempre foram maior que o valor de entrada.

Outro problema é a “escassez de voluntários”. Daniely diz que há poucas pessoas interessadas em participar da diretoria, do dia a dia e de ajudar o trabalho a continuar.

A Acapra auxilia animais em situação de rua ou animais que estão sofrendo maus tratos por parte de seus tutores. Além disso, eles promovem, junto ao hospital SOS Animais, projetos de castração em valor mais acessível para quem tem baixa renda.

Os pedidos de ajuda chegam pela população via WhatsApp dos voluntários. A partir disso, eles orientam a pessoa que entrou em contato a levar o bichinho a uma clínica ou um voluntário se disponibiliza para isso.

“Não podemos e nem conseguimos resgatar todos os animais de rua, sempre vamos priorizar animais que precisam de auxílio veterinário. Depois de receber alta na clínica, lutamos para conseguir lar temporário”, conta Daniely.

Eles não recebem nenhuma ajuda financeira de prefeitura ou outro tipo de apoio público, por isso a situação chegou nesse ponto. Quem quiser contribuir pode acessar a Vakinha, doar pelo PagSeguro ou a partir de conta bancária: Banco do Brasil (001), Agência 5233-7, conta nº 362763-2, CNPJ 03.772.251/0001-82 (Associação Brusquense de Proteção aos Animais).

Fonte: Diarinho

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.