ONG SOS Vira-lata continua com adoções de animais mesmo na pandemia, em Criciúma, SC

ONG SOS Vira-lata continua com adoções de animais mesmo na pandemia, em Criciúma, SC

A SOS Vira-lata, ONG criciumense protetora de animais, continua com o processo de adoções de animais mesmo em meio à pandemia. Porém, diferente de antes, quando duas vezes por mês eram realizadas feiras, agora tudo pode ser feito via online.


Com o isolamento social por conta do coronavírus, aglomerações estão sendo evitadas. Na medida do possível, a SOS Vira-lata tenta continuar com seus trabalhos normalmente.

“Quem tiver o interesse em adotar, pode fazê-lo através do nosso Facebook ou Instagram (@sosviralata), por meio das fotos dos animais que publicamos. Toda a entrevista com os pretendentes em adotar é feita por mensagens ou contato telefônico. Depois disso, marcamos de levar o animal até o novo lar, assinamos o termo de adoção e realizamos o monitoramento da adaptação”, explica a voluntária Nilda Rosso.

 Neste cenário de quarentena e de privações, as ajudas que a ONG recebia acabaram diminuindo consideravelmente. Sem fonte de renda fixa, as doações são fundamentais para que o trabalho continue. Nilda reforça que ajudas de qualquer valor podem ser realizadas virtualmente, por depósito, boleto ou pelo PagSeguro.

 “Entendemos que o momento é de priorizar os cuidados com a vida humana mas os animais não podem ser esquecidos. Eles continuam precisando se alimentar, atendimento veterinário, dentre outras assistências. Estamos com bastante dificuldades. Mesmo assim, ainda tentamos manter pontos de alimentação para animais de rua e alguns atendimentos”, assinala.

 Doações em dinheiro podem ser depositadas na conta Acentra Ailos 085, agência 0104-0, conta corrente 4428-8 e CNPJ 11.825.120/0001-44. Pelo PagSeguro, o link é: pag.ae/7Vompjhwa.

 Ração, medicamentos e itens de uso aos animais também são bem-vindos, e podem ser encaminhados aos pontos de coletas e empresas parceiras da ONG, que são a Super Pet Show (Giassi Santa Bárbara), a Petcampo Agroshop (Bistek e Centenário) e a SOS Hospital Veterinário (Pio Corrêa). 

“É importante lembrar que qualquer um pode contribuir de alguma forma, seja deixando potes com água e comida na frente da sua casa, monitorando, castrando e vacinando animais da sua rua ou bairro. Conseguimos preço social para isso. Para ajudar, basta querer e fazer”, conclui Nilda. 

Fonte: OCP News (colaboração de Gustavo Milioli)

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.