ONGs buscam lares temporários para cães resgatados em chácara em Santo Antônio de Posse, SP

ONGs buscam lares temporários para cães resgatados em chácara em Santo Antônio de Posse, SP
Foto: Vídeo Imagem

As voluntárias das organizações não governamentais (ONGs) que trabalharam durante resgate de 130 cães com sinais de maus-tratos em uma chácara de Santo Antônio de Posse (SP), na segunda-feira (7), estão à procura de lares temporários para os animais.

Os cães foram levados para clínicas de Campinas (SP), onde recebem diferentes tipos de tratamentos. Os interessados em adotar um dos animais devem assinar um termo de responsabilidade, de acordo com a vice-presidente da ONG Anjos de Rua, Juliane Pereira.

“Eles precisam trazer ao nosso veterinário, quando a gente determinar, tem que seguir o termo. Por ser um processo judicial, ele tem que ser assinado”, explica a voluntária.

O contato com a ONG pode ser feito pelo email anjosderuacampinas@gmail.com.

Cão resgatado em chácara de Santo Antônio de Posse, SP. (Fotos: Reprodução/EPTV)
Cão resgatado em chácara de Santo Antônio de Posse, SP. (Fotos: Reprodução/EPTV)

Abandono

A denúncia surgiu após uma pessoa comprar um cachorro doente. Durante vistoria na chácara, após mandado judicial, a Guarda Municipal encontrou, por exemplo, até sete cães guardados no mesmo espaço inadequado; além de animais com carrapatos e sinais de fraqueza.

Cães são encontrados em situação de maus-tratos em chácara.
Cães são encontrados em situação de maus-tratos em chácara.

“No exame clínico constatamos excesso de ectoparasitas, que são pulgas, carrapatos e uma infestação maciça. Alguns animais estão com sarna, ferimentos e excesso de tártaro dentário, com muito mau hálito”, explica a veterinária Marieta Ricci.

Os animais ainda devem levar um tempo para se recuperar. De acordo com a veterinária Fabiana Gobbo, o tratamento poderá levar pelo menos um mês.

“Provavelmente eles estão com hemoparasitose. Confirmando a doença, é um tratamento que leva pelo menos um mês”, afirma.

Explicações

O caseiro e a advogada do dono da propriedade preferiram não gravar entrevista à EPTV, afiliada da TV Globo, na segunda-feira. O funcionário informou que o canil existe há pelo menos 20 anos.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.