ONGs de proteção alertam para o crescimento no número de animais atropelados em Petrolina, PE

ONGs de proteção alertam para o crescimento no número de animais atropelados em Petrolina, PE
Número de animais atropelados cresceu em Petrolina — Foto: Reprodução / TV Grande Rio

Em Petrolina, no Sertão de Pernambuco, as ONGs de proteção animal costumam receber com frequência casos de bichinhos atropelados. Infelizmente, situações assim têm ficado cada vez mais comuns. Além da displicência dos motoristas, existe um problema muito mais amplo de descaso e que envolve negligência ambiental: o abandono desses animais. Pela lei, o ato do condutor, ao atropelar e negar socorro a um animal, pode ser enquadrado no crime de maus tratos.

“A gente tem uma recorrência bem alta hoje. Entre atropelamentos, mensal, chegam a 20, 25 pedidos [de resgate]”, destaca Ingrid Lima, diretora social da Ong Proteger. 

Voluntária da Ong Proteger, Elizete Maria da Silva Bispo não esquece o dia que conheceu Baruque. O cãozinho, que hoje esbanja alegria e esperteza, está entre os inúmeros animais que já foram atropelados em Petrolina. Por causa do acidente, além do trauma, já que o cachorro fica assustado quando precisa ir além da calçada, Baruque perdeu uma das patas.

“Estava chegando em casa, quando vi um cachorro bastante machucado, com a perna infeccionada. Fiquei muito preocupada com a situação, porque ele era pequeno ainda. Coloquei ele para dentro porque fiquei muito preocupada com aquela situação. Lutei, corri atrás de pessoas para me ajudar e consegui, graças a Deus”, lembra Elizete.

Baruque perdeu uma das patas após ser atropelado — Foto: Reprodução / TV Grande Rio

De acordo com Ingrid, o abandono de animais contribui para o aumento de casos de atropelamento. “A gente está recebendo muitos pedidos de resgate. Temos essa percepção nas ruas. Animais que andam juntos e, aparentemente, com coleiras. Por dificuldades por causa do momento da pandemia, estamos passando por um momento bem desafiador, a gente percebeu essa demanda maior”, diz.

Quem abandona um animal pode responder pelo crime de maus tratos. No abrigo da Ong Arcapet Protetora, os mais de 50 cães e gatos mostram que a lei não impede o abandono. Entre os animais acolhidos, cerca de 20 foram atropelados. Todas as despesas com o atendimento são assumidas pela Ong. Um gasto altíssimo pra quem sobrevive de doações.

“Recebemos diariamente solicitações para ajuda de animais atropelados nas ruas de Petrolina. Então, para a gente chegar ao animal e fazer esse resgate, tem um custo muito alto. Temos parcerias com clínicas veterinárias, mas, mesmo diminuindo os valores, tem um altíssimo custo com procedimentos cirúrgicos, ortopédicos, que não são baratos”, afirma Jaqui Florêncio, voluntária da Arcapet.

Os voluntários enxergam na adoção responsável uma das saídas para a diminuição de casos de atropelamento de animais. 

“Quando adotar um animal de rua, vacine, cuide, dê muito amor. Porque, do abandono já vieram e a gente não quer que ele volte mais para essa vida”, diz a voluntária Ana Hélia Barros.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.