Operação apreende 2.380 animais na região do Rio Paraguaçu

Operação apreende 2.380 animais na região do Rio Paraguaçu

BA rioParaguaçu apreensao animais

Uma operação realizada na região do rio Paraguaçu ao longo de dez dias resgatou 2.380 animais e prendeu 11 pessoas. Conforme a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a 36ª edição da Operação Fiscalização Preventiva Integrada (FPI) foi coordenada pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA) através do Núcleo de Defesa do Rio Paraguaçu (NURP) e ocorreu no período entre 27 de julho e esta sexta-feira, 7.

Um total de 64 armas de fogo também foi apreendido e duas serrarias foram interditadas. Segundo a PRF, este foi o maior recorde de apreensões de animais e armas desde a 1ª edição da FPI. Entre as prisões, um homem de identidade não informada foi preso na zona rural de Itaberaba (a 266 Km de Salvador) por falsificar anilhas, um objeto utilizado para comprovar a origem legal das aves. Na residência dele foram encontrados 37 pássaros com sinais de maus-tratos.

Já em um hotel fazenda localizado no mesmo município, foram resgatados diversos animais silvestres como arara, gavião, macaco prego, jiboias, papagaio, raposa, jacu, jabuti e seriema. Os jacus localizados no interior do hotel são da espécie Penelope jacucaca e estão como vulneráveis na lista da International Union for Conservation of Nature (União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais) – IUCN de 2015. Na lista do Ministério do Meio Ambiente (MMA), a espécie também está como vulnerável nos estados de Alagoas, Bahia, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco e Piauí. O proprietário do hotel fazenda, que não teve a identidade divulgada, não possuía autorização ambiental.

BA rioParaguaçu apreensao animais2

Ainda conforme a PRF, parte dos animais apreendidos foi solta em reservas. Outros foram encaminhados ao Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) de Vitória da Conquista/BA (a 509 Km de Salvador), local onde irão passar pela avaliação de especialistas, sendo adotadas as medidas necessárias para cada caso, com objetivo de restabelecerem condições de serem reintegrados à natureza, com devido monitoramento.

A operação contou com a participação de diversos órgãos estaduais, federais e de defesa do meio ambiente, como a Polícia Rodoviária Federal – PRF, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA, Ministério Público Federal – MPF, Ministério Público do Trabalho – MPT, Companhia Independente de Polícia de Proteção Ambiental da Polícia Militar – CIPPA/PM, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBio, Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos – INEMA, Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia – ADAB, Diretoria de Vigilância Sanitária e Ambiental – DIVISA, Conselho Regional de Engenharia e Agronomia – CREA/BA, Fundação Nacional de Saúde – FUNASA, Secretaria da Fazenda – SEFAZ/BA, Secretaria de Agricultura – SEAGRI/BA, Secretaria do Meio Ambiente – SEMA, Secretaria da Saúde da Bahia, Conselho Regional de Medicina Veterinária – CRMV/BA, Departamento Nacional de Produção Mineral – DNPM e colaboradores.

Fonte: A Tarde

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.