Operação apreende 32 aves silvestres em Camaragibe, no Grande Recife, PE

Operação apreende 32 aves silvestres em Camaragibe, no Grande Recife, PE

Ação da CPRH e Cipoma e aconteceu na manhã desta quarta (21). Outra campanha do órgão recebeu duas aves entregues voluntariamente.

Uma operação da Agência Estadual de Meio ambiente (CPRH) apreendeu, nesta quarta-feira (21), 32 aves silvestres em Aldeia, no município de Camaragibe, na Região Metropolitana do Recife. A operação teve início por volta das 5h30 e capturou, sobretudo, pássaros da espécie papa-capim. Em paralelo, outra ação do órgão proporcionou a entrega de uma coruja e um gavião de forma voluntária na sede da CPRH, no bairro de Casa Forte, na Zona Norte do Recife.

Em Camaragibe, a operação da CPRH teve apoio da Companhia Independente de Policiamento do Meio Ambiente (Cipoma) e aconteceu após denúncias de moradores de diferentes quilômetros da Estrada de Aldeia. Além de 26 papa-capins, foram apreendidos dois colerinhos, dois sabiás, uma patativa e uma ave da espécie saí-canário.

Os animais foram encaminhados ao Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) Tangara, da CPRH, no bairro da Guabiraba, na Zona Norte do Recife. No local, as aves devem passar por atendimento de veterinários antes de serem devolvidas à natureza.

Os infratores foram autuados com penalidades de apreensão das aves irregulares e devem pagar uma multa de R$ 500 por animal. Os envolvidos também devem responder por crime ambiental, segundo a Agência, podem ser penalizados com detenção que varia de seis meses a um ano.

PE Recife camaragibe operacao aves silvestres2

Entrega voluntária

Ainda nesta quarta (21), uma campanha de entreva voluntária de animais silvestres resultou na devolução de uma coruja orelhuda e de um gavião carijó à sede da Agência, no bairro de Casa Forte, no Recife. Os dois animais foram encontrados em uma área verde dentro de um condomínio e no quintal da casa de uma moradora do bairro de Águas Compridas, em Olinda.

De acordo com a CPRH, a coruja da espécie Asio clamator estava com uma das asas lesionadas e o gavião, da espécie Rupornis magnirostris estava preso numa armadilha de cola para ratos. Na Agência, os animais também devem passar pela avaliação de veterinários.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.