Operação apreende 8 cachorros possivelmente envolvidos em rinhas de cães nos EUA

Operação apreende 8 cachorros possivelmente envolvidos em rinhas de cães nos EUA

O procurador-geral do estado busca a custódia estatal de oito pit bulls que se acredita estarem envolvidos em uma arena de rinha ilegal de cães multiestadual.

Os cachorros foram apreendidos durante uma operação em uma propriedade de Meriden, Connecticut, na 109 Britannia St. no dia 31 de julho.

O que os vizinhos pensavam ser parte da educação normal dos cães, era na verdade, de acordo com a polícia, parte de suas vidas como lutadores em uma rinha multiestadual ilegal.

Vizinhos que não quiseram ser filmados lembram-se da última noite de julho, quando a polícia varreu a propriedade na rua Britannia em Meriden e apreendeu os oito cães.

As autoridades acreditam que todos eles têm entre um e cinco anos de idade.

O segundo vizinho disse: “Eles não pulam na cerca nem nada do tipo. Eles não são agressivos, então a única vez que os ouvi latir e gritar do jeito que gritaram foi no dia em que o Animal Control os estava levando.”

O primeiro vizinho disse: “Latidos constantes a qualquer hora da noite, proprietários saindo e gritando com eles. Eu vi os donos passeando com os cachorros, eles eram magros, mas pareciam cachorros legais.”

O depoimento revela que os cães estavam licenciados e pertenciam a José e Nelson Rivera.

Entramos em contato com um deles, mas a conselho de seu advogado, eles se recusaram a comentar.

As evidências no depoimento também retratam a suposta operação.

Além dos cães, que foram encontrados em gaiolas no quintal, a Polícia do Estado de Connecticut encontrou “um grande ringue de luta de cães improvisado e portátil e um pedaço de gramado manchado com o que aparentemente era sangue seco. A polícia também apreendeu coleiras, cordas projetadas para fortalecer as mandíbulas e os músculos do pescoço dos cães para melhorar a mordida, esteiras de cães, uma bicicleta e um arnês projetado para forçar os cachorros a correr, facas break stick para forçar as mandíbulas dos cães a se abrirem após as mordidas, um chicote, balanças eletrônicas para animais, coleiras elétricas e coletes pesados”.

“Isso é doloroso, ninguém deveria tratar seus animais assim. Isso não está certo”, disse o primeiro vizinho.

O segundo vizinho disse: “Só espero que não seja o caso, porque não foi isso que testemunhamos ou vimos. As fotos parecem perturbadoras, como aquele pequeno ringue, eu não sei como são as lutas de cães. Espero que não seja isso.”

As autoridades disseram que os cães parecem ter entre 1 e 5 anos de idade e estão fisicamente saudáveis. Dois deles tinham cicatrizes curadas que são consistentes com brigas de cães.

Além disso, um funcionário do controle de animais do estado determinou que dois cães eram muito agressivos para serem retirados com segurança e retornaram aos seus canis para um exame completo, disse um comunicado à imprensa.

“Rinhas de cães são cruéis e ilegais. Esses pit bulls foram violentamente maltratados e condicionados a serem lutadores agressivos e violentos. Uma investigação policial multiestadual está em andamento e os responsáveis por esses crimes hediondos serão levados à justiça. Solicitamos hoje a custódia permanente do Estado para garantir o cuidado seguro dos cães maltratados”, disse o procurador-geral William Tong.

Os cachorros estão atualmente sob custódia da polícia estatal, no meio de uma investigação em curso sobre a rinha de cães.

Tong está tentando colocar os cachorros sob custódia permanente do Departamento de Agricultura.

“A rinha de cães é uma atividade clandestina ilegal desprezível, com ramificações negativas para os animais domésticos sujeitos a esses maus-tratos”, disse o comissário de Agricultura Bryan P. Hurlburt. “Encorajamos qualquer pessoa que suspeite da ocorrência de tal atividade a denunciá-la às autoridades competentes para garantir a saúde e a segurança dos animais.”

Tradução de Ana Carolina Figueiredo

Fonte: CBS 58

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.