'Operação' é montada para resgatar macaco-prego em praça de Botucatu, SP

‘Operação’ é montada para resgatar macaco-prego em praça de Botucatu, SP

Um grande “operação” foi montada nesta terça-feira (4) em Botucatu (SP) para tentar capturar um macaco-prego que apareceu em uma praça na região da Vila Antártica.

A movimentação reuniu vários profissionais e atraiu a atenção dos moradores durante parte da manhã e da tarde. Porém, até o início da noite o animal não havia sido capturado.

Participaram da operação especialistas do Cempas (Centro de Medicina e Pesquisa de Animais Silvestres), da Unesp de Botucatu, além de equipes do Corpo de Bombeiros, da Guarda Civil Municipal (GCM) e da companhia de energia elétrica.

Apelidado pelos moradores da região de “Chico”, o macaco-prego foi visto na Vila Antártica nas últimas semanas e, nesta terça-feira, resolveu subir nas árvores da praça.

VÍDEO: ‘Operação’ é montada para resgatar macaco-prego em praça de Botucatu

Apesar da agitação e dos saltos, o animal aparenta ser dócil e permitia a aproximação das pessoas, principalmente para fornecimento de alimentos. A dona de casa Rosini Rodrigues, moradora do bairro há 25 anos, fez fotos do “visitante”.

Segundo a médica veterinária Beatriz Maccari, o macaco possivelmente era domesticado e acabou escapando. Mesmo assim, precisa ser resgatado por questões de saúde e segurança.

A veterinária explicou que foram oferecidos ao animal alimentos com sedativos na tentativa de deixá-lo mais calmo. Os técnicos do Cempas também tentaram acertá-lo com dardos de tranquilizantes, sem sucesso.

“Chico”, como foi chamado o animal, recebeu alimentos com sedativos, mas mesmo assim fugiu no fim da tarde (Foto: Rosini Rodrigues/Arquivo pessoal)

Após a captura, a intenção dos técnicos é levar o macaco-prego para a Unesp, que definirá o destino correto para o animal.

No entanto, por causa do grande número de pessoas no local, tanto das equipes quanto de moradores, o animal se assustou e acabou fugindo. A equipe do Cempas instalou um dispositivo tipo “armadilha” para capturar o macaco e continua monitorando a região.

Segundo o inspetor Carlos Eduardo de Paula, do Grupo de Proteção Ambiental, o correto é evitar o contato direto com o macaco-prego ou qualquer outra espécie silvestre encontrada em ambiente urbano.

Nestes casos, a orientação é entrar em contato com as equipes especializadas no resgate de animais silvestres, como Polícia Ambiental ou Corpo de Bombeiros.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.