Orangotango Sandra, que conseguiu habeas corpus para deixar zoo portenho, viverá livre no Brasil

Orangotango Sandra, que conseguiu habeas corpus para deixar zoo portenho, viverá livre no Brasil

Por Leo Gerchmann

Argentina processo orangotango

Uma reserva natural do Brasil aceitou receber Sandra, a orangotango de quase 30 anos que vive no zoológico de Buenos Aires, no centro de um processo na Justiça argentina, que a considerou como “pessoa não humana” e com direito a liberdade.

Sandra nasceu em 16 de fevereiro de 1986 no zoológico alemão de Rostock e foi trazida para a capital argentina em setembro de 1994. Segundo a justiça, ela tem sentimentos e, por isso, recebeu um habeas corpus.

– No marco do expediente judicial, o Santuário de Sorocaba, em São Paulo, aceitou receber Sandra, encarregar-se de seu traslado e monitorar o transporte – comemorou Andrés Gil Domínguez, advogado que representou a orangotango na justiça.

A juíza Elena Liberatori deve autorizar o traslado para que o traslado seja feito numa data ainda a ser determinada.

A Prefeitura de Buenos Aires, que dá em concessão o zoológico a empresários privados, “brigou ferozmente” contra o traslado da primata, garantiu Gil Domínguez, integrante da ONG Afada (Associação de Funcionários e Advogados pelos Direitos dos Animais) que se apresenta como defensor de Sandra.

A história de Sandra reacendeu os debates sobre a existência de um jardim zoológico no meio da cidade e debates sobre as condições de enclausuramento dos animais, criticadas pelas organizações ambientalistas e defensoras dos direitos dos animais.

A Afada conseguiu obter o parecer favorável de um tribunal e foi acatada como representante legal do animal, como se fosse menor de idade ou uma pessoa com deficiência.

Em maio passado, a juíza Elena Liberatori realizou uma rodada de consultas a especialistas para fazer cumprir a sentença de um tribunal que declarou Sandra “pessoa não humana” e com direito a liberdade, sentença inédita no mundo.

Sandra tem o pelo avermelhado, pesa 50 kg e mede quase 1,50 metros. Deve viver até os 40 anos.

Os defensores de Sandra pediam que ela vivesse em semi-liberdade, mas na Argentina não há santuários e conseguiram apresentar o parque brasileiro, “que se comprometeu também a levar o orangotango Toto, que vive nos Estados Unidos”, contou o advogado.

Enquanto a justiça resolve o destino da orangotango, uma decisão esperada antes do fim do ano, o zoológico portenho melhorou o local onde ela vive, embora não seja possível “um habitat parecido com o seu, onde possa estar com outros da sua espécie”, alertou Gil Domínguez.

Fonte: ClicRbs

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.