Ordenada investigação por maus-tratos a animais em corridas de galgos na Austrália

Ordenada investigação por maus-tratos a animais em corridas de galgos na Austrália

O estado australiano de Victoria ordenou hoje a abertura de duas investigações sobre as práticas adotadas nas corridas de galgos após uma denúncia do uso de animais vivos como isco para melhorar o rendimento dos cães.

A televisão ABC denunciou, esta noite, que nos treinos dos galgos em vários canídromos do país são utilizados nomeadamente leitões e coelhos como isco para que os cães os persigam e aniquilem.

A Austrália, um país com um elevado nível de proteção dos animais, proíbe e pune há décadas o uso de animais vivos como isco, mas os treinadores recorrem a este método por considerarem que melhora o desempenho dos galgos nas corridas.

O Governo do estado de Victoria ordenou a duas entidades que investiguem, em separado, as acusações apresentadas na denúncia.

Fonte: O Observador (Portugal) / mantida a grafia original


Nota do Olhar Animal: A permissão para que ocorra este tipo de exploração dos cães (as corridas) faz duvidar que o nível da proteção aos animais na Austrália seja tão elevado assim, como afirma a matéria. Problemas, a começar pela criação de animais “de raça” para este (ou qualquer outro) fim, o que já causa danos congênitos ao animais gerados, passando por maus-tratos infligidos nos treinamentos. Além disto, o uso de outros animais para serem mortos pelos cães, como noticiado acima.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.