Órgãos da Prefeitura de Uberaba (MG) orientam quem quer ajudar animais de rua durante período de pandemia de coronavírus

Órgãos da Prefeitura de Uberaba (MG) orientam quem quer ajudar animais de rua durante período de pandemia de coronavírus
Animais de rua ou de abrigos podem ter ajuda, mas Prefeitura ressalta cuidados por causa da Covid-19 — Foto: Cássia Firmino/G1

Com o intuito de orientar quem ajuda no cuidado com os animais que vivem nas ruas de Uberaba, a Secretaria de Meio Ambiente, por meio da Superintendência Regional de Bem-Estar Animal, divulgou informações para pessoas voluntárias durante período de pandemia de coronavírus.

O secretário de Meio Ambiente, Marlus Salomão, recomendou que quem for às ruas precisa redobrar a atenção a alertou para o abandono dos bichos de estimação.

“As pessoas podem dar alimento aos animais de forma responsável e com cuidado. E quem tiver bicho em casa, pedimos para que não abandonem nas ruas. É crime, por isso também solicitamos que denúncias sejam feitas às autoridades competentes se isso ocorrer. Nesse momento o que demos fazer é devemos cuidar dos animais de rua, adotar e também ajudar as instituições que executam este trabalho”, ressaltou.

A Secretaria de Saúde, por meio da Zoonoses, informou que chegou a doar recentemente 60 quilos de alimentos aos animais de rua. E lembrou que o trabalho da Superintendência de Proteção Animal é ininterrupto e que as doações de ração podem ser feitas a qualquer momento, mas com pedidos via telefone.

“As pessoas podem doar em qualquer casa de ração e basta avisar a Superintendência pelo telefone (34) 3318-0218, que nós faremos o recolhimento e a distribuição a abrigos de animais e protetores”, explicou a superintendente do órgão Janaína Coutinho.

Coronavírus em animais

De acordo com as informações oficiais da Organização Mundial da Saúde (OMS), não há evidência científica de que animais como gatos e cães, tenham sido infectados ou possam espalhar o vírus que causa a Covid-19, não sendo, portanto, vetores do novo coronavírus.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.