Outra baleia orca se matou batendo cabeça contra parede após 12 anos em cativeiro

Outra baleia orca se matou batendo cabeça contra parede após 12 anos em cativeiro
Hugo foi mantido no Miami Seaquarium na Flórida por mais de 12 anos após ser capturado com apenas três anos de idade

Hugo foi mantido no Miami Seaquarium, na Flórida (EUA), por mais de 12 anos, antes de morrer aos 15 anos de um aneurisma cerebral. Acredita-se que ele tenha sido capturado da natureza aos três anos de idade.

Uma infeliz orca que foi arrancada de sua família na natureza e forçada a fazer truques para plateias se tornou tão infeliz que “cometeu suicídio” batendo sua cabeça contra uma parede.

Hugo foi mantido no Miami Seaquarium, na Flórida, por mais de 12 anos depois de ser capturado com apenas três anos de idade nas margens da Baía de Vaughan, Washington, de acordo com o grupo de bem-estar animal The Dolphin Project.

Nos primeiros anos, ele foi mantido em uma “pequena piscina” sem companhia, antes de uma orca fêmea, Lolita, ser capturada na natureza e os dois serem apresentados um ao outro e transferidos para um novo lugar, apelidado de “tigela das baleias “.

Nos primeiros anos, ele foi mantido em uma "pequena piscina" sozinho, até que uma orca fêmea, Lolita, foi capturada na natureza e os dois fossem apresentados um ao outro
Nos primeiros anos, ele foi mantido em uma “pequena piscina” sozinho, até que uma orca fêmea, Lolita, foi capturada na natureza e os dois fossem apresentados um ao outro

Richard O ‘Barry, um ex-treinador de animais e fundador do Dolphin Project, escreveu “Behind the Dolphin Smile” sobre quando conheceu Hugo.

Nele, ele conta: “Quando eu alimentava Hugo, sua cauda estava apoiada no fundo e sua cabeça ficava completamente fora da água.”

“Foi patético. Queriam que eu o treinasse. Eu recusei e saí com nojo.”

Mas apesar de receberem um novo companheiro, os anos de isolamento causaram seus danos, e Hugo pareceria se machucar e agir agressivamente em relação aos seus cuidadores.

Alega-se que ele regularmente batia a cabeça contra o lado do tanque e mordia os treinadores que ousavam chegar perto dele.

Em um incidente horrível, Hugo teria cortado o nariz quando bateu em uma estrutura de plástico, quebrando-a (Imagem: Getty Images)
Em um incidente horrível, Hugo teria cortado o nariz quando bateu em uma estrutura de plástico, quebrando-a (Imagem:
Getty Images)

Em um incidente horrível, Hugo teria cortado o nariz quando bateu em uma estrutura de plástico, quebrando-a.

Ele foi deixado com um retalho de pele de cerca de 6 centímetros de comprimento pendurada na ponta do nariz, que um veterinário teve que recolocar em uma cirurgia.

Mas foi em 4 de março de 1980 que o sofrimento de Hugo chegou ao fim, quando ele sofreu um aneurisma cerebral.

Ativistas animais afirmam que suas repetidas batidas na cabeça contribuíram para sua morte, referindo-se a ela como “suicídio”.

Hugo tinha apenas 15 anos quando morreu, muito mais jovem do que as orcas de mais de 80 anos que foram registradas vivendo na natureza.

Fotos comoventes do corpo sem vida de Hugo sendo içado para fora da piscina foram documentadas.

Não se sabe o que aconteceu com seu corpo, embora alguns relatos afirmem que foi descartado em um aterro sanitário.

Quanto a Lolita, ela agora tem 55 anos, e passou seus dias desde a morte de Hugo totalmente sozinha.

Ela passa seus dias nadando em uma piscina que, segundo Peta, é apenas quatro vezes o comprimento de seu corpo na parte mais longa. O tanque tem apenas 20 metros de profundidade em seu ponto mais profundo e apenas 3,7 metros de profundidade em muitos outros.

A cientista de mamíferos marinhos do Instituto de Bem-Estar Animal, Naomi Rose, disse à National Geographic em 2019 que as orcas não se saem bem em cativeiro devido ao seu tamanho e inteligência.

“É biologia básica “, disse ela.

Os biólogos marinhos aceitam amplamente que os animais se envolvem em comportamentos autodestrutivos, embora não se saiba se as baleias entendem o termo humano de "suicídio"
Os biólogos marinhos aceitam amplamente que os animais se envolvem em comportamentos autodestrutivos, embora não se saiba se as baleias entendem o termo humano de “suicídio”

“Se você evoluiu para mover grandes distâncias para procurar comida e companheiros, então você está adaptado a esse tipo de movimento, seja você um urso polar, um elefante ou uma orca.

“Você coloca [orcas] em uma caixa que tem 46 metros de comprimento, 28 metros de largura e 9 metros de profundidade e você está basicamente transformando-as em um peso de porta”.

“Nenhum mamífero marinho é adaptado para prosperar no mundo que fizemos para eles em uma caixa de concreto.”

Biólogos marinhos entendem profundamente que os animais se envolvam em comportamento autodestrutivo, embora não se saiba se as baleias entendem o termo humano de “suicídio”.

O assunto voltou a chamar a atenção depois que uma orca com o coração partido foi filmada batendo a cabeça contra as paredes de seu tanque depois de perder seus cinco bebês.

A orca angustiada, chamada Kiska, está em cativeiro na MarineLand em Ontário, Canadá, e foi vista batendo a cabeça contra as paredes de sua piscina em um vídeo de 30 segundos.

O ativista anticativeiro e denunciante Phil Demers filmou a orca, apelidada de “a baleia mais solitária do mundo” pelo Santuário das Baleias, e depois compartilhou nas redes sociais.

O ativista de 43 anos trabalhou anteriormente no parque.

A filmagem foi enviada com a legenda: “Este vídeo foi feito em 4 de setembro de 2021. Ativistas anticativeiro entraram na MarineLand e observaram Kiska, sua última orca sobrevivente, batendo a cabeça contra a parede. Por favor, assista e compartilhe. Essa crueldade deve acabar. #FreeKiska.”

Por Kate Buck / Tradução de Bruno Fontanive

Fonte: Mirror

‘A orca mais solitária do mundo’, filmada repetidas vezes cabeceando a lateral do tanque

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.