veggi sufle-vegano

Suflê de couve-flor

Ingredientes 1 xícara e meia de grão-de-bico4 colheres de azeite2 colheres de farinha de arroz1 maço de couve-flor1 xícara de leite de soja1 colher de sobremesa de polvilho azedo1 pitada de pimenta-do-reino2 cebolas grandes2 dentes de alho Preparo Deixe o grão-de-bico de molho em água de um dia para o outro. Escorra. Cozinhe o couve-flor na água com 1 pitada de sal e uma cebola, pique e reserve. Bata no liquidificador o grão-de-bico com cebolinha, sal, alho e cebola, até ficar homogêneo. Para o creme: refogue a cebola picada no azeite, acrescente a farinha de arroz, o leite de soja e misture…

LEIA MAIS Suflê de couve-flor
veggi nhoque-legumes

Nhoque de legumes

Ingredientes 1 batata grande1 cenoura grande1 mandioquinha grande1 copo de farinha de trigo integral1 copo de farinha de trigo branca3 colheres de aveia em pó2 colheres de azeite extra virgem1 pitada de sal Molho 8 tomates maduros picados sem casca.1 cebola média picada2 dentes de alho.Opcional= mangericão ou orégano a gosto1 pitada de sal Preparo Amasse os legumes cozidos até virar um purê, junte o sal, azeite e as farinhas aos poucos, sove até desgrudar das mãos. Corte a massa em cubinhos , cozinhe em agua fervente com 1 colher de azeite, em pequenas porções, até que as bolinhas comecem…

LEIA MAIS Nhoque de legumes
veggi quindim-vegano-mandioca

Quindim de mandioca

Quindim sem ovos, à base de mandioca Ingredientes 200 ml de leite de coco1 xícara cheia de açúcar3 colheres (sopa) de extrato de soja – opcional1/4 de xícara de água2 colheres (sopa) de óleo de milho ou girassol3 colheres (sopa) de amido de milho3 xicaras bem cheias de mandioca crua ralada100 grs de coco raladoaçúcar cristal para polvilhar Calda 1/4 de xícara de água1/4 de xícara de açúcar cristal Preparo Bata no liquidificador todos ingredientes, menos o coco ralado – começando pelos líquidos e adicionando os demais aos poucos e batendo, até ficar homogêneo. Com uma colher, misture o coco…

LEIA MAIS Quindim de mandioca

O princípio da beneficência e os animais não-humanos: uma discussão sobre o problema da predação e outros danos naturais

Nesse artigo defendo que qualquer abordagem normativa minimamente plausível à ética animal precisa reconhecer um dever de minimizar os danos (sofrimento e morte, por exemplo) sofridos por animais não-humanos que não são causados pelo seu uso como recursos, mas, sim, naturalmente. Usarei como exemplo, embora não seja o único, o imenso sofrimento e morte que animais não-humanos sofrem na vida selvagem (por parte da predação, morte por inanição, congelamento, parasitismo, etc.). Chamarei esses malefícios de danos naturais.

LEIA MAIS O princípio da beneficência e os animais não-humanos: uma discussão sobre o problema da predação e outros danos naturais

Implicações éticas, ambientais e nutricionais do consumo de leite bovino – uma abordagem crítica

O curso “Implicações éticas, ambientais e nutricionais do consumo de leite bovino – uma abordagem crítica”, apresenta, em oito sessões presenciais, os dados, informações e reflexões sobre a extração do leite bovino e seu consumo por humanos, enfocando os aspectos éticos relativos ao sofrimento animal, os ambientais relativos ao consumo de grãos, cereais e água potável que constituem a dieta à qual as vacas são submetidas para melhor eficiência na secreção de leite, bem como o montante gás metano expelido na atmosfera e de excrementos deixados sobre o planeta como resultado dessa ingesta. O curso aborda ainda a literatura médica contrária ao consumo de leite por humanos em qualquer idade e apresenta os resultados das pesquisas que associam grande parte das doenças crônicas e muitas mazelas humanas ao consumo de leite bovino.

LEIA MAIS Implicações éticas, ambientais e nutricionais do consumo de leite bovino – uma abordagem crítica

Princípios da ética vegana abolicionista

Nesta sessão de encerramento do curso, Galactoclastia, apresentamos as reflexões éticas que motivaram a busca dos dados sobre o leite de vaca, um alimento sacralizado no mundo ocidental, só perdendo para o pão na idolatria dos consumidores [Felipe, Galactolatria, p. 219]. Estudando a produção do leite, sua composição atual carregada de hormônios e antibióticos, o sofrimento das vacas e vitelos e conhecendo um pouco dos números assombrosos da excreção e do consumo de cereais e água, bem como o montante do leite que é feito jorrar ao redor do planeta, não é possível manter-se inocente. Assim como o iconoclasta destrói ícones que escondem dos idólatras a verdade, a galactoclastia retira os véus que escondem dos galactômanos a verdade sobre o leite que consomem.

LEIA MAIS Princípios da ética vegana abolicionista

O poder galactífero ao redor do mundo

De onde vem o dinheiro investido em propaganda para induzir os comedores ao consumo de leite e laticínios? Nos Estados Unidos, para cada 50 kg de leite vendidos, o produtor tem que pagar 15 centavos ao Dairy Marketing Board [Conselho de Propaganda de Laticínios][Cf. Felipe, Galactolatria, p.193]. Mais uma vez, voltemos ao cálculo usando os dados publicados pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – SEBRAE, relativos ao ano de 2008. Nos Estados Unidos, foram produzidos 86.178.896.000 kg de leite.

LEIA MAIS O poder galactífero ao redor do mundo

Malefícios do leite bovino para a saúde humana – Parte 2

A influência da propaganda massiva para difundir o consumo humano de leite bovino, especialmente como alimento para prevenir a osteoporose, tem levado muitas pessoas, especialmente as mulheres ocidentais, a aumentarem a ingestão de leite sem que os resultados confirmem sua expectativa. Ao contrário do que se costuma crer, quanto mais leite uma mulher ingere para evitar a perda de cálcio nos ossos na menopausa, mais intensa será essa perda.

LEIA MAIS Malefícios do leite bovino para a saúde humana – Parte 2

Malefícios do leite bovino para a saúde humana – Parte 1

O veterinário britânico Michael W. Fox, autor de mais de 40 livros sobre animais, bioética e preservação ambiental, afirma: “há um mito, alimentado pela Associação Americana de Laticínios, de que crianças e adultos devem tomar muito leite para obterem cálcio e terem ossos e dentes fortes. Na verdade, vegetais, tais quais brócolis e couves, oferecem bastante cálcio que as crianças podem absorver melhor do que o cálcio do leite de vaca. O alto teor de proteína do leite na verdade aumenta a perda de cálcio pela urina por interferir em sua absorção no trato digestório.”

LEIA MAIS Malefícios do leite bovino para a saúde humana – Parte 1

Galactopoese – A natureza do leite

O médico pediatra norte-americano, Dr. Frank A. Oski, pioneiro na divulgação dos malefícios do leite de vaca para a saúde dos bebês humanos e autor do livro Don’t Drink Your Milk! [Não tome seu leite!], esclarece: as fêmeas amamentam seus filhos até eles triplicarem de peso. Em humanos, isso ocorre por volta de um ano de idade. Em nenhuma outra espécie, a não ser na humana e na felina domesticada, “o consumo de leite continua após o desmame”. [Cf. Oski, Apud Felipe, Galactolatria, p. 121]. O éthos mamífero está desenhado para que os novos membros de cada uma dessas espécies demandem apenas o leite da própria mãe. Seguindo o éthos de sua espécie biológica, os bezerros precisam apenas do leite de sua mãe vaca. Seu leite é desenhado para o organismo que ela acabou de gestar e parir.

LEIA MAIS Galactopoese – A natureza do leite

O sofrimento das vacas e vitelos

O princípio da igual consideração de interesses semelhantes – elaborado na ética prática animalista, iniciada na metade da década de 70 do século XX, em Oxford, pelo jovem estudante de Filosofia, Peter Singer, ao mesmo tempo em que a revolução verde colhia seus primeiros sucessos -, exige a incorporação da dor e do sofrimento dos animais não-humanos à reflexão ética. Segundo esse princípio, os interesses fundamentais dos animais não-humanos são tão relevantes para eles quanto o são os nossos, para nós. Não há distinções especistas entre direitos fundamentais quando se trata de seres sencientes, isto é, cientes de sua dor e capazes de sofrer.

LEIA MAIS O sofrimento das vacas e vitelos

Ética animalista

De origem grega, a palavra ética se desdobra em dois significados. Ela designa, em primeiro lugar, simplesmente, aquilo que o nascimento nos lega, hoje chamado bagagem genética, a herança biológica própria de cada espécie, que resulta da combinação dos elementos progênitos masculino e feminino, resultando no organismo individual. Nesse sentido, éthos refere aquilo que não podemos mudar, o que nos caracteriza enquanto espécie e também indivíduos. Esse significado básico biopsicológico, éthos como característica ou caráter, do qual deriva a palavra ethiké, traduzida em português como ética (bem conhecida e raramente adotada), resume a condição natural de todos os animais e plantas, mas não esgota o que deve ser entendido filosoficamente por ética, embora tenha algo a ver com ela.

LEIA MAIS Ética animalista