Parque do sul de Londres irá abater 80 veados em meio à fúria sobre mortes ‘terrivelmente dolorosas’

Parque do sul de Londres irá abater 80 veados em meio à fúria sobre mortes ‘terrivelmente dolorosas’
A temporada de abate de cervos começou mais uma vez em Bushy Park (Imagem: Surrey Advertiser)

Ativistas dos direitos dos animais criticaram a política de abate de veados no sul de Londres por atirarem em até 80 veados, levando a “mortes terrivelmente dolorosas”.

O abate anual de cervos em Bushy Park começou em 1º de setembro e vai durar seis semanas, o que matará entre 60 e 80 veados.

O Royal Parks (órgão que administra a área) diz que sem controle populacional os animais “acabariam sofrendo”. Mas os defensores dos animais da PETA disseram que existem métodos mais humanos de abate do animal.

Elisa Allen, diretora da PETA, disse ao Local Democracy Reporting Service: “Os cervos são conhecidos por controlarem seus próprios números, até mesmo com a reabsorção de um feto se os suprimentos de alimentos estão baixos.”

Há mais de 300 cervos no Bushy Park (Imagem: Darren Pepe / Surrey Advertiser)
Há mais de 300 cervos no Bushy Park (Imagem: Darren Pepe / Surrey Advertiser)

“Matá-los só faz com que sua população se recupere, pois iniciativas letais resultam em um aumento na disponibilidade de alimentos, o que acelera a procriação dos sobreviventes.”

Ela também acredita que se a opção de matar reduzisse as populações efetivamente, métodos letais não seriam propostos ano após ano.

Ela disse: “Esses métodos não são apenas ineficazes, mas também cruéis, pois pode ser difícil para os caçadores obter um tiro claro e veados muitas vezes passam por mortes lentas, horrivelmente dolorosas.

Sua sugestão para reduzir o número de veados seria atingir as fontes de alimento dos cervos, como aparar galhos de árvores de baixa suspensão, manter a grama cortada e cobrir mudas.

Ela acrescentou: “Os humanos devem isso a esses animais delicados, cujo habitat lhes foi tirado, usando-se métodos humanos e sustentáveis de controle populacional que existem, porque nunca alcançaremos a harmonia ecológica através do cano de uma arma”.

Veados feridos são abatidos primeiro, em seguida, o resto é selecionado no rebanho para manter a proporção sexual correta e a estrutura etária. Há cerca de 320 veados em Bushy Park, diz o Royal Parks.

Em resposta à PETA, o Royal Parks disse: “Parece que a declaração da PETA se refere a veados na natureza, não em um parque fechado como o Bushy Park, que também é um Local de interesse científico especial com pastagens ácidas legalmente protegidas e lar de milhares de espécies.

“É fácil pensar em Richmond e Bushy Parks como um campo aberto e, portanto, esperar que as populações de cervos encontrem seu próprio equilíbrio como fazem na natureza. No entanto, os parques são espaços fechados com pastagem suficiente para sustentar um número finito de animais saudáveis.“

“O padrão e a humanidade do abate nos Royal Parks são examinados e aprovados a cada ano pelo cirurgião veterinário contratado que cuida da saúde e bem-estar do rebanho. As pessoas envolvidas no abate dos veados são atiradores muito experientes e altamente qualificados.”

O Royal Parks disse que leva o bem-estar dos veados muito a sério e todos os aspectos de seu bem-estar são monitorados regularmente.

Ele acrescentou: “Sem o controle populacional, os alimentos se tornariam escassos e mais animais acabariam sofrendo’’.

“Haveria também outras questões de bem-estar, como baixa gordura corporal, desnutrição, alta incidência de morte por exposição ao frio no inverno e acúmulo de parasitas e doenças em veados.”

Haverá um segundo abate durante seis semanas a partir de 1º de novembro. Todo o dinheiro arrecadado com a venda de veado é diretamente reinvestido no cuidado com os rebanhos.

Por James Mayer / Tradução de Bruno Fontanive

Fonte: My London


Nota do Olhar Animal: Que vergonhoso uma organização que se define como de proteção aos animais defender o abate e não um método não letal.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.