Parque Ecológico de Paulínia (SP) recebe jacaré raro capturado na região

Parque Ecológico de Paulínia (SP) recebe jacaré raro capturado na região

O Parque Ecológico de Paulínia recebeu nesta quinta-feira (3) um jacaré-do-Pantanal. O animal foi capturado por técnicos do ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), do Ministério do Meio Ambiente, após alerta de moradores próximos de um riacho que deságua no rio Capivari.

A espécie de jacaré mais comum na região de Campinas é o jacaré-de-papo-amarelo. Os especialistas desconfiam que a espécie do Pantanal chegou pelas mãos de pessoas que o capturaram ainda filhote e que, depois de crescido, liberaram na natureza, sem qualquer cuidado ou controle.

O jacaré –um macho de 1,86m e 40 quilos–vai ficar numa área reservada do parque, mas com contato visual com um jacaré fêmea. Segundo o médico veterinário do parque, Marcelo de Queiroz Telles, a estratégia de aproximação visa reduzir qualquer possibilidade de conflito, já que se trata de um animal selvagem.

Após um período, o jacaré-do-Pantanal será integrado ao recinto onde já se encontra a fêmea da mesma espécie. Ele poderá ser devolvido à natureza depois de uma avaliação dos técnicos do ICMBio. Do contrário, o réptil poderá entrar para o plantel de animais do Parque Ecológico de Paulínia.

De acordo com o mais recente censo de animais, finalizado em agosto de 2016, o parque tem 220 animais divididos em 47 espécies (mamíferos, aves, répteis e peixes), dispostos em 48 recintos –todos de acordo com as atuais regras ambientais pelos órgãos fiscalizadores.

Na semana passada, o parque abrigou por três noites uma onça parda suçuarana capturada dentro de uma empresa de tecelagem em Americana. A onça foi devolvida à natureza na noite de sexta-feira (28) com um colar de monitoramento por GPS. Segundo as informações do ICMBio, o felino passa bem e circula por uma mata da região de Campinas.

EDUCAÇÃO

O Parque Ecológico de Paulínia vai receber neste segundo semestre de 2016, cerca de 1.300 alunos de 4º ano do ensino fundamental das escolas municipais para aulas práticas de educação ambiental, disciplina que consta do currículo escolar de Paulínia.

Elas visitam os animais acompanhados de professores e técnicos (médico veterinário e bióloga) do parque, têm aulas sobre preservação e vida animal, etc.. As aulas acontecem de segunda a quinta-feira, em períodos alternados (manhã e tarde). Ao final da aula, os alunos ganham um sanduíche e fruta.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.