Passagens de fauna ainda são poucas nas estradas da região de Jundiaí, SP

Passagens de fauna ainda são poucas nas estradas da região de Jundiaí, SP

Por Simone de Oliveira

SP jundiai fauna1

Para evitar a morte de animais silvestres que transitam pelas rodovias que cortam o Estado – e o País -, algumas concessionárias implantaram o que chamam de passagens de fauna. Os túneis construídos ou adaptados sob o asfalto são uma opção para evitar que esses animais cruzem a pista e sejam atropelados. Segundo a Agência Reguladora de Serviços Públicos (Artesp) na malha estadual sob sua concessão há 112 passagens de fauna ou drenagens adaptadas, mas outras 30 novas passagens estão em fase de projeto.

Na Região apenas 13 foram construídas pelas três concessionárias que administram os trechos. E só em 2014, 74 atropelamentos de animais foram registrados. A Rodovia das Colinas, que administra a rodovia Dom Gabriel Paulino Bueno Couto (SP 300), que liga Jundiaí a Itu, informa que existem 11 passagens inferiores de fauna no trecho entre o km 64+600 e km 103 da rodovia. Elas foram construídas juntamente com a duplicação da via, finalizada em 2005. Trata-se da rodovia que mais construiu passagens pela Região e, segundo informa, neste trecho houve a redução no número de acidentes envolvendo animais silvestres. Em 2013 foram oito ocorrências, contra duas registradas no ano passado.

Como informa a Rota das Bandeiras, que administra a rodovia Engenheiro Constâncio Cintra (SP 360), que liga Jundiaí e Itatiba, há duas passagens de fauna sendo construídas na altura do km 73 e outra no km 81, altura do Trevo de Louveira. A previsão de término dessas duas passagens é para o final do primeiro semestre deste ano. Segundo nota da concessionária, a construção das passagens foi importante para diminuir os impactos da fauna local e conduzir os animais para a travessia da pista em local adequado, evitando assim os atropelamentos.

Também em nota, a CCR Autoban informa que não há passagens de fauna no trecho administrado por ela, em especial as rodovias Anhanguera e Bandeirantes, mas adianta que um grupo de trabalho já foi criado para tratar do assunto, com a participação de técnicos dos órgãos ligados aos setores ambientais.

Monitoramento – As concessionárias reforçam que para evitar a invasão dos animais nas pistas, principalmente porque se trata de rodovias que ficam próximas a áreas verdes, são realizados monitoramentos diários, tanto percorrendo os trechos como por meio de câmeras.

A Autoban, por exemplo, diz que mesmo sem as passagens, os técnicos realizam um monitoramento nas rodovias para identificar a presença de animais. Em 2014 foram resgatados 60 animais em todo o Sistema Anhanguera-Bandeirantes, sendo 13 deles apenas no trecho de Jundiaí. No mesmo ano foram registrados quatro acidentes com animais silvestres, também em Jundiaí. A equipe de Inspeção e Supervisão de Tráfego da Colinas percorre todo o trecho administrado 24 horas por dia para verificar animais na pista. Segundo a equipe, a presença do lixo jogado na rodovia pelos próprios usuários ou moradores que vivem próximos a elas é que atraem os animais.

Fonte: JJ

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.