Pássaros são alvo predileto do tráfico internacional

Pássaros são alvo predileto do tráfico internacional

Segundo Ibama, os pássaros representam mais de 80% do tráfico de animais.

Por Beatriz Saturnino

BR Filhotes de Arara Azul

Em cada 10 animais traficados, apenas um chega ao seu destino final, os outros nove acabam morrendo no momento da captura ou durante o transporte, conforme informações da Rede Nacional contra o Tráfico de Animais Silvestres (Renctas).

No relatório da Renctas apresenta-se a situação de que todos os animais traficados sofrem no esquema montado pelos traficantes. O qual inclui como prática anestesiá-los para que pareçam dóceis e mansos, até furar os olhos das aves para não enxergarem a luz do sol e não cantarem, evitando chamar a atenção da fiscalização.

Além de ter a sua biodiversidade ameaçada, o Brasil perde, anualmente, com o tráfico, uma quantia financeira incalculável, e uma gama irrecuperável de seus recursos genéticos.

É estimado que o tráfico de animais silvestres no Brasil seja responsável pela retirada anual de 38 milhões de espécimes da natureza.

De acordo com informações do Ibama nacional (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), os pássaros representam mais de 80% do tráfico de animais, seguidos de 16,7% de répteis. Os pássaros mais comumente apreendidos são coleirinho, trinca-ferro e canário-da-terra.

Foi observado que em geral a fauna brasileira é retirada do Norte, Nordeste e Centro-Oeste e enviada para o Sudeste, o Sul e outras regiões do Nordeste, por meio terrestre ou fluvial, abastecendo o comércio nacional.

Em relação ao comércio ilegal internacional, destacam-se as cidades localizadas nas regiões de fronteira no Norte, Centro-Oeste e Sul do Brasil, bem como os portos e aeroportos localizados nas regiões Norte, Nordeste e Sudeste.

Em geral, pássaros e os ovos das aves são enviados para a Europa e répteis para os Estados Unidos. O Ibama trabalha com a apreensão de animais, pois é difícil estimar a venda e a compra, já que se trata de atividade ilegal.

A soltura foi a destinação mais comum para os mamíferos, aves e répteis apreendidos, com apoio dos Centros de Triagem de Animais Silvestres em todos os Estados.

Fonte: Circuito MT 

Nota do Olhar Animal: Enquanto as preocupações se resumirem às perdas de “quantia financeira incalculável” e de “uma gama irrecuperável de seus recursos genéticos”, o destino dos animais será o extermínio. A visão centrada no interesse humano sobre os animais e não nos interesses dos próprios animais está dizimando as espécies. Culpa do tráfico, mas culpa também dos que apregoam o salvamento de espécies sem questionar este paradigma, alimentando assim a lógica perversa de que os animais são mera engrenagem ambiental.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.