‘Pata Ativa’ quer fazer a diferença em Albufeira, Portugal

‘Pata Ativa’ quer fazer a diferença em Albufeira, Portugal

Nova associação quer ser uma referência em três frentes vitais: na defesa dos animais, preservação da natureza e na promoção de hábitos de vida saudáveis.

Por Sara Alves Julho

«Defendemos que todos podem optar por viver vidas mais saudáveis, equilibradas, respeitadoras, ecológicas, solidárias e altruístas! A defesa dos animais não se esgota no cão e no gato, assim como a defesa do ambiente não se esgota na separação de lixo», defende Lucélia Monteiro, 36 anos, presidente da recém-formada associação albufeirense «Pata Ativa».

Na calha estão atividades e iniciativas como «cãominhadas», piqueniques vegans, aulas de yoga, voluntariado animal e ambiental, desafios desportivos, tertúlias, concursos, campanhas de sensibilização e workshops de alimentação alternativa.

A ideia de criar esta associação, formalizada no passado mês de junho, partiu de um «grupo de pessoas» proativas nas causas que a «Pata Ativa» advoga.

«Damos apoio ao canil local, ajudamos na limpeza, nos passeios dos animais, tiramos fotos e ajudamos a divulgá-los na expetativa de conseguirmos famílias que os adotem. Existimos há cerca de um mês e pouco e já ajudamos na esterilização de cerca de dez animais, além de apoiarmos algumas famílias com comida e medicação. Apesar de não termos um espaço físico próprio, contamos com o apoio de alguns amigos e famílias de acolhimento. Já retiramos cerca de seis gatos e um cão das ruas, conseguindo adoções», contabiliza.

Uma das iniciativas com mais sucesso é a «caõminhada» mensal. Os participantes podem escolher juntar-se ao grupo e passear os seus próprios cães em conjunto ou optar por passear um dos cães do canil. Já existem «cãominhadas» com datas marcadas até ao final do ano: 9 agosto, 6 setembro, 22 outubro, 12 de novembro e 3 de dezembro.

No domingo, 17 de julho, a associação vai levar a cabo um «caminhada que terminará com uma aula de yoga, seguida por um piquenique vegan». A decorrer está também um concurso fotográfico online, subordinado ao tema «Eu amo o meu animal de estimação». Para participar, basta publicar uma foto do animal com o dono, e as cinco fotografias mais votadas serão contempladas com prémios-surpresa.

A 9 de outubro, a «Pata Ativa» participará no evento «Albufeira Vida Eco», no Espaço Multiusos de Albufeira.

Monteiro sublinha que «todos os nossos eventos são gratuitos, mas apelamos ao espírito benemérito dos participantes. Aceitamos donativos que podem ser em géneros ou em numerário. Queremos estar disponíveis para a população mas também gostaríamos que a população estivesse disponível para nós», refere.

Esta dirigente associativa acredita que é possível «contrariar a tendência consumista e materialista» atual. «Somos todos voluntários. Disponibilizamos o nosso tempo pessoal para tentar contribuir para que o meio onde estamos inseridos seja melhor, com mais respeito, com mais compaixão, com mais intervenção social».

«Uma vez alguém me disse esta frase que tento até hoje aplicar na minha vida: a maioria das pessoas acomoda-se, eu incomodo-me! É muito fácil acomodarmo-nos, saber que as coisas podiam ser melhores mas deixar andar tudo como está… virar a cara para o lado. O que pretendemos com a nossa ação é motivar as pessoas a serem ativas e interventivas. Todos temos o poder de funcionar como catalisadores e facilitadores de mudanças positivas», sublinha Lucélia Monteiro.

Para já, a associação conta com o apoio de algumas clínicas veterinárias e estão em processo de desenvolver parcerias com mercearias biológicas, restaurantes vegetarianos e vegan, lojas de animais, hotéis para cães, treinadores caninos, operadores turísticos, entre outros.

Sobre o futuro, Monteiro refere que aguarda «ansiosamente pela construção e inauguração do Centro de Bem-Estar Animal», o projeto que venceu o Orçamento Participativo em Albufeira há dois anos. Alimenta simultaneamente a esperança de «ver em Albufeira um parque de exercício para cães. Um espaço onde os donos pudessem para além de levar os seus animais para exercitar e socializar, também ter acesso a aulas de desporto canino».

«Há tantas possibilidades de se viver uma vida saudável e que não envolva matar animais para nos alimentarmos, que não envolvem insecticidas e químicos venenosos e poluentes para produzir alimentos, e onde é possível criar um equilíbrio e diminuir o nosso impacto, a nossa pegada ecológica. Devemos saber coexistir e integrar-nos no ecossistema», sublinha.

Por último, confidencia que «numa esfera mais idealista adoraríamos que houvesse uma praia canina em Portugal… porque não no Algarve, e em Albufeira?»

«Pata Ativa»

«O nome pareceu-nos apropriado. A Pata é uma simbologia referente aos animais, o verde e a folha do logo apelam à natureza, e a palavra ativa associada àquilo que pretendemos da associação e da comunidade. A adoção de uma atitude interventiva na defesa do que é positivo, saudável, ecológico, respeitador, solidário e altruísta», refere a presidente da associação.

Junte-se à causa

Poderá juntar-se à «Pata Ativa» enquanto associado, inscrever-se enquanto voluntário, ou contribuir e participar em diversas tarefas, eventos e atividades. Para tornar-se sócio basta pagar a quota no valor de 15 euros anuais. Para mais informações contacte o e-mail [email protected]

Fonte: Barlavento / mantida a grafia lusitana original 

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.