PAWS abre processo contra o “assassino” de Killua por envolvimento no comércio de carne de cachorro

PAWS abre processo contra o “assassino” de Killua por envolvimento no comércio de carne de cachorro
Foto de Anthony Solares com o cão Killua nesta foto publicada pela Sociedade Filipina de Bem-Estar Animal no Facebook em 25 de março de 2024 (pawsphilippines/Facebook)

A Philippine Animal Welfare Society (Sociedade Filipina de Bem-Estar Animal), ou PAWS, apresentou na segunda-feira uma queixa criminal contra Anthony Solares, o homem que acabou com a vida de Killua, por violar a lei que proíbe as pessoas de se envolverem no comércio de carne de cachorro.

A queixa foi registrada na tarde de segunda-feira.

Em 25 de março, a organização sem fins lucrativos confirmou que Solares levou o cachorro de estimação a um “conhecido matadouro e área de cozimento de carne de cachorro” depois de matar o animal, que foi encontrado sem vida em um saco em 17 de março.

A organização acrescentou que ele “é proprietário de uma carinderia que vende carnes perto da área de abate de cães”.

Killua já havia sido encontrado sem vida em um saco por sua dona, Vina Rachelle Arazas, depois que Solares a levou até seu animal de estimação após o incidente.

Alguns usuários da Internet que viram as postagens, incluindo aqueles que afirmam morar perto de Bato, Camarines Sur, alegaram que o suspeito tinha intenções mais sombrias.

“Estou ansioso com isso. Na verdade, é perto da minha cidade natal. E eles são conhecidos por matar cachorros para cozinhar e comer. Desativei meu FB (Facebook) por causa disso”, escreveu anteriormente o usuário do TikTok @user81227158815.

Em uma entrevista separada, Solares negou que tivesse colocado o cachorro no saco e que tivesse a intenção de cozinhá-lo. Ele também disse que não tinha a intenção de matar o animal, alegando que só o fez para defender as pessoas de serem mordidas pelo cão.

Enquanto isso, a PAWS disse que apresentou uma queixa contra Solares por violar a Lei 9482 da República ou a Lei Antirrábica de 2007, que proíbe o comércio de cães para consumo de carne.
Também pediu às pessoas que possam ter consumido carne de cachorro proveniente da área onde o corpo de Killua foi encontrado que tomem vacinas pós-exposição.

“Eles correm grande risco. Os comerciantes de carne de cachorro não são apenas pessoas cruéis, mas representam uma séria ameaça à saúde pública”, disse a organização.

O veterinário Armie Sebello, oficial supervisor de controle de carnes do Serviço Nacional de Inspeção de Carnes, disse anteriormente que o Código de Inspeção de Carnes das Filipinas também proíbe o consumo de carne de cachorro, pois ela não é inspecionada por órgãos de saúde.

Como a carne de cachorro não é submetida à inspeção adequada, ela pode transmitir doenças como a raiva, que pode ser passada para aqueles que abatem ou consomem.

A diretora executiva da PAWS, Anna Cabrera, também disse que o comércio de carne de cachorro é ilegal de acordo com a Lei de Bem-Estar Animal de 1998, também conhecida como Lei Republicana 8485.

A Animal Welfare Foundation considera o comércio de carne de cachorro como “uma das mais sérias preocupações com o bem-estar animal nas Filipinas”, dizendo que é um abuso contra o bem-estar animal.

Por Jeline Malasig / Tradução de Ana Carolina Figueiredo

Fonte: Interaksyon

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.