Pedágio ecológico orienta motoristas a evitar atropelamento de animais

Pedágio ecológico orienta motoristas a evitar atropelamento de animais

Foram parados 310 veículos que passaram pela Rodovia Arlindo Bettio. Conforme Parque Estadual do Morro do Diabo, onça foi morta em 2014.

SP teodorosampaio dsc05782 

Por Vinícius Pacheco

Um pedágio ecológico foi realizado na manhã desta quinta-feira (5), na Rodovia Arlindo Béttio (SP-613), nas proximidades da entrada do Parque Estadual Morro do Diabo, em Teodoro Sampaio, para conscientizar motoristas sobre a redução de velocidade no trecho para evitar que animais sejam atropelados. A ação foi realizada pela Divisão Municipal de Meio Ambiente, com apoio do Instituto Florestal, Instituto Chico Mendes e Polícia Ambiental.

Conforme a diretora da pasta, Maria Tereza Fink Andrade, foram entregues panfletos e dadas dicas aos condutores para que sejam evitados novos acidentes. “Já estão instaladas placas que indicam que a área pode ter circulação de animais e, por isso mesmo, os motoristas devem ter maior atenção no local. Já vimos mortes de antas, onças e tatus por aqui, o que pode causar uma grande perda ambiental”, declara.

Ela relata que foram abordados 310 carros entre 8h e 11h. “É uma situação que deve ser reforçada e contar com a ajuda de todos”, informa. A velocidade máxima permitida no trecho é de 70 km/h.

De acordo com um balanço do Parque Estadual do Morro do Diabo, cerca de 55 espécies foram vítimas de acidentes entre 2002 e 2010. As maiores vítimas foram antas, cachorros do mato, quatis, veados e jaguatiricas. Em 2014, foi registrado apenas o caso de uma onça parda.

“Conseguimos ter uma redução no número de casos nos 14 km que passam pelo parque. Isso mostra que já houve uma conscientização, permitida por projetos constantes, e também foi evitado um grande prejuízo ambiental. Também houve uma diminuição do lixo lançado nos arredores da via”, declara o gestor do parque, Eriqui Marqueti Inazaki.

Ainda conforme o responsável, já existe uma discussão para implantação de radares no local.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.