Peixe-boi Pintada chega à praia de Mundaú e é avistada por moradores, no litoral cearense

Peixe-boi Pintada chega à praia de Mundaú e é avistada por moradores, no litoral cearense

A fêmea de peixe-boi batizada de Pintada voltou a ser vista no litoral cearense nesta terça-feira (31), após se desorientar e chegar a um rio de água doce. O animal foi achado por moradores da região do Rio Mundaú, em Trairi, litoral Oeste do Ceará.

VÍDEO: Moradores alimentam peixe-boi em rio cearense, atitude não recomendada por protetores.

Pintada foi resgatada em 2015, quando ainda era recém-nascida, encalhou na costa cearense e ficou por seis anos no Centro de Reabilitação de Mamíferos Marinhos da Aquasis.

(CORREÇÃO: Segundo a ONG Aquasis, a peixe-boi Pintada não foi resgatada. Ela permanece sendo monitorada pela ONG Aquasis e segue em deslocamento próprio pelo litoral cearense, eventualmente sendo vista por outras pessoas. A alteração foi feita às 18h24 desta terça-feira, 31 de agosto de 2021.)

No último mês de julho, ela foi liberada, em uma praia da cidade de Icapuí, no Ceará, sendo devolvida ao mar. Ela permanece sendo monitorada pela ONG Aquasis desde então.

Entretanto, cerca de uma semana depois ela perdeu o equipamento localizador para monitorar o animal. A Aquasis emitiu um alerta para o caso de encontrarem a peixe-boi. Pescadores encontraram Pintada na Praia de Flecheiras, em Trairi, e liberaram ela novamente antes que a ONG fosse acionada.

Em 1º de agosto ela foi vista novamente, em um rio de Itapipoca, no Ceará. Pintada chegou ao Rio Cruxati, a mais de 300 km do local onde originalmente foi solta pela primeira vez. De acordo com a Aquasis, o animal não chegou a encalhar, contudo, por ter entrado em um rio, poderia correr riscos e se prejudicar.

Nesta terça (31) ao chegar a Mundaú, alguns moradores a encontraram e tentaram alimentá-la com folhagens. A bióloga da Aquasis Letícia Gonçalves Pereira, no entanto, recomenda que as pessoas não se aproximem nem tentem alimentar esses animais. “As interações estimulam a domesticação, comprometem a independência e a capacidade do peixe-boi de encontrar alimentos naturais e podem levar ao risco de transmissão de doenças entre os animais e pessoas. Essas recomendações são importantes para o sucesso de adaptação de Pintada ao ambiente natural”, explica.

Ainda conforme a bióloga, a fêmea do peixe-boi “apresenta boa condição corporal, bom comportamento de adaptação ao ambiente natural e está saudável, sendo avistada diversas vezes se alimentando de itens naturais disponíveis na região, como algas e folhas de mangue”.

Fêmea foi resgatada em um rio na cidade de Itapipoca por riscos à sua saúde. — Foto: Divulgação/Aquasis
Fêmea foi resgatada em um rio na cidade de Itapipoca por riscos à sua saúde. — Foto: Divulgação/Aquasis

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.