Peru: Felino que vivia em um carro de circo é libertado da vida nas correntes

Peru: Felino que vivia em um carro de circo é libertado da vida nas correntes

Por Ameena Schelling / Tradução de Marli Vaz de Lima

Um puma triste e magro, que passou a vida acorrentado à parte de trás de um carro aberto – a única casa que ele já conheceu – está finalmente livre.

“Ele viveu toda a sua vida usando uma correia e amarrado à parte traseira de uma caminhonete”, Jan Creamer, presidente da ADI – Animal Defenders International (Defensores de Animais Internacional), disse ao The Dodo. “Ele compartilhou a parte de trás da caminhonete com todo o equipamento de metal.”

peru resgatecirco1

Sem sequer o conforto de uma jaula, o gato azarado provavelmente foi vendido no comércio de animais exóticos quando filhote. Desde então, ele vinha sendo transportado de vila para vila com um circo peruano. Quando ele não estava se apresentando, dormia na cama de metal do carro, enrolado atrás das hastes da barraca.

peru resgatecirco2

“Era absolutamente a coisa mais miserável e triste que você já pode ter visto, ver um belo animal empurrado para um canto”, Jan Creamer, presidente da ADI, disse ao The Dodo. “Era como se ele não estivesse nem mesmo vivo”.

O leão de montanha, chamado Mustafa, e um condor chamado Condorito, que também viveu no circo, foram os últimos animais resgatados como parte da ‘Operação Espírito da liberdade’ da ADI, que durou meses, uma repressão contra a exibição de animais, em seguida à proibição de animais em circos do Peru em 2011. O projeto já salvou cerca de 80 animais, mas, apesar de uma parceria ativa do governo peruano, tem sido frequentemente uma luta.

peru resgatecirco3

No caso do Mustafa e do Condorito, o dono do circo armou um tumulto para evitar que a polícia e a ADI os resgatassem.

“O dono do circo ofereceu dinheiro, e foi anunciado na rádio local que ele estava oferecendo dinheiro para as pessoas virem e lutarem contra a polícia”, disse Creamer. “Muitas pessoas vieram e estavam gritando e fazendo um escarcéu.”

peru resgatecirco4

Depois de um impasse que durou horas entre o circo, os moradores locais e a polícia, o dono do circo voltou atrás quando ele percebeu que enfrentaria acusações pesadas – incluindo possíveis acusações de abuso infantil por ter pedido às pessoas para trazer seus filhos.

peru resgatecirco5

Infelizmente, impasses como estes não são incomuns. Além disso, os circos viajam frequentemente entre pequenas aldeias e evitam grandes cidades para que eles não possam ser encontrados, sabendo que seus animais poderiam ser apreendidos se eles fossem avistados.

peru resgatecirco6

Apenas 24 horas antes de resgatar Mustafa, a ADI tinha retirado um tigre chamado Hoover de um circo similar – após outro impasse de horas de duração com o proprietário. Quando a ADI começou a persegui-lo, o circo tinha dois tigres sobreviventes de um grupo original de 12. Oito meses depois, quando o circo foi encontrado, Hoover era o único vivo.

“Nós achamos que aquilo era tão terrível, porque, obviamente, eles não estavam cuidando dos tigres apropriadamente”, disse Creamer. “Eles não tinham ideia de como estes animais deveriam viver.”

peru resgatecirco7

Embora o trabalho no Peru tenha oficialmente terminado, a ADI vai continuar a monitorar a área para garantir que cada último animal tenha sido resgatado. Eles acreditam que o circo que abusava de Mustafa ainda está escondendo um macaco e, possivelmente, outro condor. A ADI está incentivando o público a usar a mídia social para alertá-los sobre qualquer animal ainda em cativeiro.

No próximo ano, a ADI vai voltar a sua atenção para a Colômbia, que baniu os animais de circo em 2013, e o México, que se seguiu no final do ano passado. Enquanto isso, o grupo está se concentrando em reabilitar os animais atualmente sob seus cuidados.

peru resgatecirco8

Mustafa está abaixo do peso, o que está claro nas fotos, mas parece estar mais prejudicado emocionalmente por seu tempo impiedoso em cativeiro.

“Mustafa é muito tímido”, disse Creamer. “Ele está realmente um pouco nervoso e por isso estamos apenas esperando que ele fique um pouco mais confiante e não tenha medo de nós.”

Embora Hoover tenha se animado nos poucos dias que ele está com a ADI, ele parece ter perdido muito peso rapidamente e está muito cansado e não come bem. Veterinários estão preocupados com parasitas, mas também é possível que ele tenha dentes quebrados ou uma infecção dentária – problemas muito comuns em felinos de circo.

“Quase todos eles, sejam de qualquer idade, têm dentes quebrados, porque quando as pessoas estão lidando com animais no circo, se eles estão causando algum problema, a primeira coisa que eles fazem é bater em seus rostos com uma barra de ferro”, disse Creamer. “A outra coisa é que eles mastigam as barras de metal (de suas jaulas) porque eles estão desesperados e assim quebram seus dentes.”

peru resgatecirco9

Os veterinários estão esperando até que os felinos se restabeleçam para colocá-los sob sedação e realizar um exame físico adequado, mas, felizmente, o futuro deles já parece melhor.

Hoover será levado de helicóptero para o Wildlife Animal Sanctuary (Santuário de Animais Vida Selvagem) do Colorado em junho, juntamente com 33 antigos leões de circo que a ADI resgatou e um urso chamado Cholita.

Como Mustafa é uma espécie nativa, a ADI e funcionários peruanos estão trabalhando para determinar se ele estaria melhor no santuário do Colorado ou em um santuário perto de sua casa.

Quanto ao condor Condorito, mais do que apenas a liberdade poderia estar em seu futuro: Ele poderia recuperar o poder de voar. O circo aparou suas asas para que ele não voasse, mas a ADI foi informada de que é possível suas penas crescerem novamente se elas são arrancadas, o que faria dele elegível para a libertação.

peru resgatecirco10

“Esse é o nosso melhor desejo para ele”, disse Creamer. “Que um dia ele esteja sobrevoando a Cordilheira dos Andes.”

O esforço peruano de resgate deverá custar mais de US $ 1,2 milhões. Se você deseja apoiar o projeto, você pode fazer uma doação aqui.

Fonte: The Dodo

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.