Pessoas encontram lagosta com a ‘tatuagem’ mais estranha em sua carapaça

Pessoas encontram lagosta com a ‘tatuagem’ mais estranha em sua carapaça
Foto: CBC British Columbia

Muitas pessoas não têm ideia de quanto lixo existe no oceano. Ele tende a se deslocar para as margens de ilhas distantes, ou se unir a aglomerados flutuantes de minúsculos “microplásticos”, mas o que um pescador fisgou recentemente nas águas perto de Nova Brunswick, no Canadá, tornou impossível de ignorar a grande escala da poluição oceânica.

Karissa Lindstrand estava colocando lagostas apanhadas em uma caixa quando viu algo estranhamente familiar em uma garra.

“Eu disse: Ah, isso é uma lata de Pepsi”. Lindstrand, que bebe várias latas de Pepsi por dia, disse ao The Guardian. “Parecia ser uma impressão colocada diretamente sobre a garra da lagosta”.

Ninguém sabe ao certo como a imagem fragmentada, que parece ser a parte superior de uma lata de Pepsi, chegou lá, mas Lindstrand notou os pixels da imagem e observou que não poderia ter vindo da embalagem de papelão porque ela teria se desintegrado na água.

Uma coisa é certa: esta lagosta tatuada, infelizmente, não é a única que vive no meio do lixo humano.

“A lagosta tatuada com Pepsi é um excelente exemplo do quão poluído os nossos oceanos se tornaram e como o lixo pode ser prejudicial para animais marinhos”, disse Elizabeth Murdock, diretora da iniciativa Pacific Ocean do Natural Resources Defense Council (NRDC), ao The Dodo. “Estudos recentes mostram que a maioria das tartarugas marinhas, albatrozes e outros animais marinhos ingeriram plástico, o que pode matar nossa amada vida marinha”.

Did you know April is Keep America Beautiful month? It's not a pretty picture, but it is the reality at Midway Atoll…

Julkaissut Friends of Midway Atoll NWR Lauantaina 2. huhtikuuta 2016

Aproximadamente 14 bilhões de toneladas de plástico entram nos oceanos a cada ano, e é incrivelmente difícil de removê-lo. Mas há algumas maneiras fáceis de evitar o acúmulo de lixo no oceano, que o NRDC compilou; que incluem coisas fáceis, como reciclar e reduzir a compra de água engarrafada, bem como ações menos óbvias, como evitar a compra de esfoliantes faciais e corporais com microesferas de plástico.

“Precisamos de políticas inteligentes que incentivem os fabricantes a se afastarem do plástico descartável”, disse Murdock. “Precisamos de indivíduos que compreendam os impactos que nossos lixos têm na vulnerável vida marinha e que façam escolhas pessoais que ajudem a reduzir o lixo em nossos oceanos”.

Lindstrand admitiu que a garra da lagosta fez com que ela pensasse na quantidade de lixo que há no oceano e não é visto: “Nós não o vemos flutuando ao nosso redor quando estamos lá”, disse ela. “Eu vejo coisas ao longo das costas que são levadas às praias ou para os lados dos penhascos”.

Quanto à lagosta, ela foi vendida como todas as outras, independentemente da sua tatuagem única. “Estou desejaria ter ficado com ela agora”, disse Lindstrand. “É a primeira vez que vejo algo assim”.

Welcome to Laysan Atoll. Over a thousand of miles from the nearest population of humans but home to much of their trash….

Julkaissut Sustainable Coastlines Hawaii Tiistaina 24. toukokuuta 2016

Para ajudar a luta contra o lixo oceânico, você pode seguir as dicas do NRDC. Você também pode fazer uma doação para seu trabalho de conservação aqui.

Por Sarah V Schweig / Tradução de Ana Carolina Figueiredo

Fonte: The Dodo


Nota do Olhar Animal: “A lagosta tatuada com Pepsi é um excelente exemplo do quão poluído os nossos oceanos se tornaram e como o lixo pode ser prejudicial para animais marinhos” é dito na matéria. Um pescador capturá-la para matá-la e comê-la é mais prejudicial ainda e é um exemplo da esquizofrênica moral de boa parte das pessoas quando tratam da questão animal.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.