Pet shop deve pagar R$ 10 mil a tutora de cadela que morreu esmagada por caixa d’água de 3 mil litros

Pet shop deve pagar R$ 10 mil a tutora de cadela que morreu esmagada por caixa d’água de 3 mil litros
Tina foi esmagada por estrutura da caixa d'água de pet shop de Cruzeiro do Sul — Foto: Arquivo pessoal

O pet shop GH Veterinária, em Cruzeiro do Sul, interior do Acre foi condenado a pagar R$ 10 mil para a tutora da cadela Tina, que morreu após ser esmagada por uma caixa d’água de aproximadamente 3 mil litros. O caso ocorreu em maio de 2023.

A decisão do Juizado Especial Cível da Comarca de Cruzeiro do Sul foi divulgada nesta segunda-feira (1). De acordo com o Tribunal de Justiça do Acre (TJ-AC), a juíza Rosilene de Santana, que julgou o caso, entendeu que os responsáveis pelo pet shop foram negligentes.

“A ré não adotou as cautelas de estilo a manterem a integridade física do animal, por ausência de estrutura adequada à atividade que exercia, permitindo que o cão viesse a falecer enquanto estava sob seus cuidados”, diz a decisão.

Entenda o caso

Tina, uma cadela da raça poodle havia sido deixada no pet shop pela cabeleireira Thamilis Regina, sua tutora. O animal deveria tomar banho, passar por sessão de tosa e fazer tratamento contra carrapatos. A direção do estabelecimento orientou que o animal ficasse no local para o tratamento até o dia seguinte, na sexta, 19 de março.

Tina foi colocada na área externa do pet shop, onde ficava a caixa d’água suspensa e os canis, durante à noite para que os carrapatos não se espalhassem para outros cômodos. A direção do estabelecimento confirmou que o local é usado para essa finalidade, contudo, alegou que foi um acidente e que a estrutura que segurava a caixa afundou e caiu em cima do animal.

“Deixei meu telefone e falaram que iam cuidar dela. Ela dormiu lá, ficou no relento, ficou na área de trás embaixo da caixa d’água. De manhã, ele me mandou dizendo que tinha acontecido isso. A caixa d’água desabou e esmagou ela. Fizeram isso com minha cachorra, a caixa ainda caiu junto com uma estrutura de madeira”, disse Thamilis ao g1 na época do caso.

A cabeleireira acrescentou que não teve coragem de ir ver o animal e o pet shop providenciou o enterro.

O responsável pelo pet shop, George Andrade, explicou que tem três canis no local e Tina não ficou presa com os demais animais por conta dos carrapatos. Ainda segundo ele, não havia sinais de que a estrutura com a caixa d’água poderia cair.

“O prédio é alugado. O pé da caixa d’água afundou e, infelizmente, na hora que aconteceu ela estava próximo à caixa d’água. Foi um acidente”, pontuou.

Andrade destacou que avisou à cabeleireira que tinha retirado a cachorra debaixo da estrutura e se ela gostaria de ver. “Ela disse que não queria ver. Perguntei se poderia enterrar, ela disse que sim”, resumiu.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.