PETA compra participação na Louis Vuitton para combater uso de peles

PETA compra participação na Louis Vuitton para combater uso de peles

O grupo de defesa dos direitos dos animais Peta comprou uma participação na Louis Vuitton Moet Hennessy (LVMH), reforçando os esforços da organização para pôr um fim ao uso de peles de animais exóticos pelas marcas de produtos de luxo.

O Peta — conhecido por seus protestos e peças publicitárias elaborados — confirmou, em comunicado, a compra das ações na quinta-feira. Contudo, o grupo não revelou o tamanho da fatia comprada no LVMH, que tem em seu portfólio grifes como Louis Vuitton e Christian Dior.

Com a compra dos papéis, o Peta terá direito de participar das reuniões de acionistas e de questionar o conselho da LVMH.

No site do Peta, a presidente da organização, Ingrid Newkirk, conta que todos os relatórios sobre a indústria de peles exóticas encontraram animais “comprimidos em espaços pequenos, cortados em pedaços e abandonados para morrer”

“De protestar nas ruas a falar no conselho (da LVMH), o Peta pressionará o LVMH para parar de vender qualquer bolsa, pulseira de relógio ou sapato feito da pele de um réptil”.

Ações de SeaWorld e MCDonalds

Procurada pelo “Independent”, a LVMH não estava disponível para comentar.

Essa não é a primeira vez que o Peta compra participação em uma empresa para tentar mudar as práticas da corporação. A organização já tem ações de companhias como o SeaWorld, McDonald’s e as grifes Prada e Hermès.

A decisão de comprar papéis da LVMH vem após uma investigação do Peta em fazendas de crocodilo que seriam fornecedoras de um curtume que pertence ao grupo de marcas de luxo.

A investigação mostrou os animais confinados em espaços muito pequenos e que eles algumas vezes eram cortados enquanto ainda estavam vivos.

Fonte: O Globo 

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.