Petição: Homem que contrabandeou centenas de espécies ameaçadas, dentre eles rinocerontes e elefantes, é condenado a apenas dois anos de cadeia

Petição: Homem que contrabandeou centenas de espécies ameaçadas, dentre eles rinocerontes e elefantes, é condenado a apenas dois anos de cadeia
Pixabay

O mundo ainda lamenta a perda de Sudan, o último rinoceronte-branco-do-norte macho, que morreu no começo deste ano. Sua morte foi um duro lembrete da epidemia de caça ilegal que assola a biodiversidade do planeta. Os caçadores recebem valores irrisórios de traficantes de animais selvagens que, através de um sistema corrupto de subornos e desvios, levam animais africanos e suas partes para o mercado negro da Ásia, especialmente China, Laos e Vietnã. Apesar de serem compostos de queratina, o mesmo material de que são feitas nossas próprias unhas, os chifres de rinocerontes são comprados pelos ricos por seus benefícios fictícios à saúde, e existe um homem que, junto com sua família, estima-se ser responsável pelo tráfico de centenas, talvez milhares, de animais ameaçados de extinção, como rinocerontes, elefantes, pangolins e tigres.

Boonchai Bach foi preso em dezembro do ano passado após as autoridades do Aeroporto Internacional de Suvarnabhumi, em Bangkok, na Tailândia, interceptarem 14 chifres de rinoceronte que estavam sendo contrabandeados para a Tailândia em um voo originário da Etiópia. Isso finalmente os levou a Bach, que pertence a uma família muito conhecida, responsável pelo tráfico de espécies ameaçadas durante muitos anos, mas que era protegida por oficiais corruptos.

Embora essa captura e prisão sejam certamente consideradas uma grande vitória, Bach recebeu apenas uma sentença de dois anos e meio. Há uma petição no site Care2 que pede que os oficiais tailandeses aumentem sua pena. Não podemos esperar que a caça diminua se não forem fixadas punições apropriadas para esses crimes!

Assine a petição aqui e compartilhe com seus contatos para aumentar a conscientização sobre a causa!

ASSINE A PETIÇÃO!

Por Natasha Brooks / Tradução de Camila Uemura

Fonte: One Green Planet

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.