Pinguim morre após ser encontrado debilitado em praia de SP

Pinguim morre após ser encontrado debilitado em praia de SP

Um pinguim-de-magalhães (Spheniscus magellanicus) juvenil morreu nesta quarta-feira (14) após ser resgatado já debilitado na praia de Mongaguá, no litoral de São Paulo. Acionada por um pescador, a equipe do Instituto Biopesca recolheu o animal para receber cuidados veterinários, mas ele não resistiu e veio a óbito.

O animal foi avistado pelo pescador boiando próximo à costa. De acordo com o Biopesca, o inverno é a época do ano em que os pinguins, além de outras espécies marinhas, migram para águas mais quentes e, nesse percurso, perdem bastante energia.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

De acordo com o Instituto, o estado do pinguim era muito delicado e equipes investigarão a causa da morte do animal. Os pinguins-de-magalhães, em particular, são encontrados nas águas do sul do Atlântico e do Pacífico, nas costas da Argentina, Chile e Ilhas Malvinas. No inverno, chegam à costa brasileira.

O atendimento do Instituto Biopesca faz parte do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) que tem como objetivo avaliar os possíveis impactos das atividades de produção e escoamento de petróleo sobre as aves, tartarugas e mamíferos marinhos, através do monitoramento das praias e do atendimento veterinário aos animais vivos e necropsia dos animais encontrados mortos.

Alerta

De acordo com o Biopesca, quando os pinguins encalham na areia da praia é porque estão fugindo do frio. Segundo especialistas que atuam no Instituto, ao saírem do mar, além de debilitados, os animais estão com a temperatura corporal baixa e, por isso, querem evitar a água. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Portanto, ao encontrar um pinguim na areia, a orientação é que o banhista não o coloque em lugares frios e nem o devolva para o mar. O correto é deixar o animal onde está sem se aproximar e acionar a equipe do Biopesca pelos telefones 0800 642 3341 (horário comercial) e (13) 99601-2570 (ligação a cobrar ou WhatsApp, 24 horas).

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.