Pinguins recuperados de longa migração emocionam tratadores em volta ao mar em SC; vídeo

Pinguins recuperados de longa migração emocionam tratadores em volta ao mar em SC; vídeo
Animais foram soltos na Praia do Moçambique (Foto: Ricardo Wegrzynovski/R3 Animal/Divulgação)

Nove pinguins-de-Magalhães puderam voltar ao mar na sexta-feira (1º), em Florianópolis, depois de terem sido submetidos a um processo de reabilitação para se recuperar de uma longa migração que fizeram. A soltura na Praia do Moçambique emocionou veterinários da Associação R3 Animal, entidade especializada em espécies marinhas e que cuidou dos animais antes bastante debilitados.

— Toda vez que acontece um momento desses, a gente fica muito emocionado, porque a gente sabe o quão difícil é recuperar os pinguins da condição que eles chegam, muito debilitados. Aí ver eles evoluindo, ganhando peso, ficando fortes, saudáveis, tem toda a preparação do teste deles para o nado, e chegar esse momento de devolver eles para a natureza é muito bom — disse a veterinária Marzia Antonelli, do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS)/R3 Animal, à NSC TV.

A espécie é comum no Litoral catarinense no inverno, quando chega em busca de alimento após deixar a região da Patagônia, no Extremo-Sul da Argentina, onde passa o restante do ano.

Os mais debilitados são, em sua maioria, pinguins de primeira migração, ainda inexperientes, o que explica a dificuldade em se alimentar ao longo do caminho. É o caso dos que foram agora soltos.

— Indivíduos juvenis, com anemia, com níveis baixos de proteína no sangue, entre outros problemas. A maioria atendida apresentava grau moderado de parasitismo — disse Antonelli também à NSC TV.

Os pinguins haviam sido encontrados encalhados em praias do Litoral catarinense entre junho e julho. A previsão natural é que eles comecem a voltar para suas colônias na região da Patagônia no próximo mês.

Veja vídeo do retorno dos pinguins ao mar em SC

Por Paulo Batistella

Fonte: NSC Total

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.