Pinguins são soltos na costa sul do RS

Pinguins são soltos na costa sul do RS

O Centro de Recuperação de Animais Marinhos (CRAM-FURG) da Universidade Federal do Rio Grande (FURG) realizou nesta quarta-feira, 29, mais uma soltura de pinguins reabilitados na costa sul gaúcha. Os animais estavam em tratamento desde o final de 2019 no Centro que possui o convênio com a Superintendência dos Portos do Rio Grande do Sul (PORTOS RS) para atendimento de animais que necessitam de cuidados na região de abrangência do Estado. O convênio é um dos mantenedores do projeto de recuperação de animais marinhos.

Foram cinco pinguins-de-Magalhães (Spheniscus magellanicus) e um pinguim-de-penacho-amarelo (Eudyptes chrysocome). Esses animais migram anualmente para o litoral nos meses de outono/inverno. Os animais foram encontrados entre o Parque Nacional da Lagoa do Peixe e a Barra do Chuí e estavam situação de vulnerabilidade: magros, fraco ou com troca de penas.

Foto: Guga Volks
Foto: Guga Volks

Durante o período em que estiveram em tratamento no CRAM, os animais seguiram protocolos de estabilização e recondicionamento, passando por exames clínicos, hidratação, higienização e impermeabilidade das penas, entre outros. Dez profissionais atuam constantemente no processo de tratamento dos animais marinhos. A alimentação desses animais com pescado é fundamental e por isso o CRAM conta com o apoio de empresas locais como: Jerry Pescados, SP da Cunha, SM Filipe, Milton Cardoso Pescados, Torquato Pontes Pescados e Pescal.

A soltura ocorreu com o apoio da Praticagem da Barra do Rio Grande, que cedeu as embarcações para que a equipe do CRAM-FURG pudesse chegar a três milhas náuticas da costa, local em que os animais puderam partir para encontrar outros de sua espécie que estão em processo de migração, para assim conseguirem concluir seu ciclo natural.

Foto: Guga Volks
Foto: Guga Volks

A oceanóloga, Paula Lima Canabarro, afirma que todos os animais são avaliados e acompanhados para que possam ser soltos dentro de suas melhores condições. “A reabilitação é um processo, com várias etapas e cada um é tratado de acordo com o seu caso”. Para o diretor do complexo de museus da FURG e do CRAM, Lauro Barcellos “esse trabalho de reabilitação é uma tradição da Universidade desde 1974 e mais necessário atualmente porque o número de animais impactados pelas ações humanas são cada vez maiores”.

Para conseguir concluir o trabalho, o CRAM-FURG possui uma rede de parceiros e instituições que auxiliam no trabalho. São elas: International Fund for Animal Welfare – IFAW; Laboratório de Ecologia e Conservação da Megafauna Marinha IO-FURG e Laboratório de aves aquáticas e tartarugas marinhas ICB-FURG; PARNA Lagoa do Peixe; NEMA; IBAMA e; PATRAM.

Fonte: O Diário

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.