EUA edgewater geese 2

Plano para exterminar gansos em Edgewater (EUA) gera críticas de ativistas

Por Nicholas Pugliese / Tradução de Alice Wehrle Gomide

Pelo quarto ano consecutivo, o distrito fez um contrato com o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) para trazer sob controle o que eles chamam de “números exorbitantes” de gansos do Canadá, matando as aves no Borough Hall, o território da marina e dos veteranos.

Edgewater é uma das 65 municipalidades, agências, aeroportos, empresas e associações privadas em New Jersey, nos EUA, que participa do “programa de controle dos danos da vida selvagem” aprovado federalmente, de acordo com um agente do Departamento de Agricultura.

Este ano, entretanto, o programa, que envolve juntar os animais e matá-los com gás dióxido de carbono em algum momento de junho ou julho, gerou críticas pela Liga dos Eleitores Humanos de New Jersey e outros ativistas do bem-estar animal.

“Matar nunca é a solução”, Darlene DeSantis, uma residente do Palisades Park, disse ao Conselho Distrital de Edgewater em uma reunião pública no último dia 16. “Estes gansos, na realidade todos os animais, são seres sencientes e inteligentes que sentem felicidade, tristeza, preocupação e dor – e eles sofrem tanto quanto nós sofremos”.

DeSantis estava entre as dezenas de pessoas que vieram de Toms River para participar da reunião e pedir ao Conselho para cancelar seu contrato de $5.999 com o Departamento de Agricultura. O Conselho votou pela aprovação do contrato em janeiro.

Um refrão comum entre aqueles que falaram contra o programa foi que existem muitos métodos não letais que o distrito poderia usar para controlar a população que seriam tão efetivos como usar a câmera de gás.

Eles também disseram ao Conselho que mais de 500 pessoas – a maioria sendo de Edgewater – assinaram a petição apoiando esse ponto de vista.

Mas funcionários do distrito disseram que eles já haviam tentado anteriormente assustar os gansos com cães falsos, gravações de áudio de aves de rapina, molestá-los com cães reais, repeli-los com químicos não letais e restringido seus movimentos com cercas e outras modificações da área, entre outras táticas – e sem nenhum sucesso.

Ao mesmo tempo, eles disseram, os residentes continuam a expressar a frustação com a população de gansos e as fezes que eles produzem.

“Existem alguns residentes que reclamam sobre o fato de não conseguirem usar as áreas e sobre a bagunça que existe nas passagens para pedestres”, o conselheiro Anthony Bartolomeo disse. “Seja qual for a quantidade de petições, confie em mim, existe o mesmo número de pessoas que são completamente contra os gansos em campos e locais públicos”.

“Ninguém quer matar animais sem necessidade”, o prefeito Michael McPartland acrescentou. Mas, ele disse, “este programa foi aprovado pelo conselho. Nós vamos seguir em frente com isto este ano”.

Duas ativistas caíram em prantos após os comentários do Conselho Distrital.

“Nós não vamos desistir”, disse uma delas, Kimberly Nagelhout do Park Ridge. “Eles podem cancelar o contrato até o dia de começar”.

Ela disse que a Liga da Proteção Animal de New Jersey irá realizar um protesto contra o programa no dia 28 de maio, às 11hs em Edgewater Commons.

O grupo já pagou por um outdoor em River Road que mostra a imagem de um bebê ganso com sua mãe chorando, com o seguinte texto: “Por favor… não nos matem. Opções HUMANAS existem”.

De acordo com o Departamento de Proteção Ambiental de New Jersey, o estado foi lar de estimados 77.763 gansos do Canadá em 2014. O número é cerca do dobro da população de gansos do Canadá no estado no começo dos anos 90, mas menor do que os mais de 100.000 que foram estimados a residirem em 2006.

Em comparação, o Departamento de Agricultura disse que matou ou eutanasiou 2.017 gansos do Canadá em New Jersey desde outubro de 2013 até setembro de 2014. Durante o mesmo período, os funcionários do departamento importunaram cerca de 35.000 gansos para tentar modificar seu comportamento usando métodos não letais.

O contrato que Edgewater assinou com o Departamento de Agricultura na realidade dita dois métodos de controle populacional. Primeiro, os funcionários do Departamento revestem os ovos com óleo de milho ou usam outra maneira para preveni-los de eclodirem em um processo conhecido como “confundir os ovos”.

Cerca de 740 ninhos são “confundidos” anualmente em New Jersey, disse Aaron Guikema, Diretor Estadual do Programa de Serviços de Vida Selvagem do Serviço de Inspeção da Saúde dos Animais e Plantas do Departamento.

Então, durante o período de muda, quando os gansos perdem suas penas primárias de vôo, fazendo com que eles não consigam voar – tipicamente em junho ou começo de julho – os funcionários capturam e eutanasiam as aves “conforme recomendações da Associação Americana de Medicina Veterinária”, de acordo com o contrato.

As carcaças então são enterradas, incineradas ou doadas para consumo não humano, o contrato diz.

O objetivo do programa de captura e remoção, Guikema disse, é diminuir a população de gansos até um ponto onde matá-los não é mais necessário e a população possa ser controlada usando somente o método de confundir os ovos.

“O problema não são os gansos propriamente ditos”, ele disse. “O problema é quando você tem muitos gansos em áreas de parques e eles estão deixando matérias fecais em trilhas e caminhos, e as pessoas não querem mais passar por esses lugares”.

Ele acrescentou que os gansos do Canadá também são um risco de segurança ao redor de aeroportos. O vôo 1549 da US Airways, por exemplo, ficou conhecido por fazer um pouso de emergência no Rio Hudson em janeiro de 2009 após colidir com um bando de gansos do Canadá migratórios, pouco tempo depois de ter decolado do Aeroporto La Guardia.

Fonte: North Jersey

MAIS NOTICIAS

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.