PM encontra onça sem cabeça e sem patas dianteiras na BR-210, em Roraima

PM encontra onça sem cabeça e sem patas dianteiras na BR-210, em Roraima

Policiais militares relataram com tristeza o fato de terem encontrado uma onça pintada fêmea, com idade aproximada de 2 anos, sem cabeça e sem as duas patas da frente, às margens da BR-210, no trecho que fica entre os municípios de São Luiz e São João da Baliza, na região Sul do Estado. Passava das 22h30 quando o animal foi localizado.

A guarnição que atua naquela área do Estado, contou que fazia patrulhamento pela rodovia, no intuito de manter a segurança em torno do município de São João da Baliza, trafegando pela rodovia por dois quilômetros, mas no retorno depararam-se com a onça no acostamento. Eles perceberam que ao redor do animal não tinha marcas de sangue, supondo que não tinha sido morto naquele mesmo lugar.

Uma outra hipótese é que o autor do crime jogou a onça as margens da rodovia, com o objetivo de chamar a atenção. Conforme a PM, o corpo frio, mas sem odor, levou a crer que teria sido recém-abatida e decapitada. Numa averiguação mais detalhada, não foram encontrados sinais de tiro, somente poucos arranhões superficiais que não davam certeza de como aconteceu a morte.

Buscas foram feitas pelas proximidades para encontrar a cabeça do animal e as duas patas, mas os policiais não tiveram sucesso. Eles declararam que ainda estão dispostos a encontrar os autores do crime ambiental para que possam ser responsabilizados. O relatório da ocorrência foi entregue na Delegacia para que a autoridade policial tome conhecimento do fato.

Legislação – Conforme o art 20 da lei 9.605, que discorre sobre crimes ambientais, quem “Matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente, ou em desacordo com a obtida, está sujeito à pena de detenção de seis meses a um ano e multa.” (J.B)

Por João Barros

Fonte: Folha de Boa Vista

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.