PM pede em rede social que moradores não atirem pedras em jacaré que ganhou fama ao andar na faixa de pedestre em Cuiabá, MT

PM pede em rede social que moradores não atirem pedras em jacaré que ganhou fama ao andar na faixa de pedestre em Cuiabá, MT
Anúncio foi publicado no Instagram — Foto: Instagram/Reprodução

A Polícia Militar de Cuiabá pediu em uma postagem na página da instituição no Instagram que motoristas e frequentadores do Parque das Águas, em Cuiabá, não atirem pedras em um jacaré, que de tão conhecido já ganhou até nome. ‘Celso’ é visto com frequência andando na região do Centro Político Administrativo.

No post, a PM diz que o Batalhão Ambiental tem telefones específicos disponíveis 24 horas para atender chamados referentes ao resgate e captura de animais silvestres e divulga os números.

Recentemente, surpreendeu ao atravessar uma faixa de pedestre na pista em frente ao parque.
Depois dessa cena, registrada no dia 16 de novembro, o animal recebeu a fama de ser um animal educado. Vídeos que mostram o jacaré atravessando fez sucesso nas redes sociais.

Jacaré foi visto atravessando faixa de pedestre e entrando no Parque das Águas em Cuiabá — Foto: Arquivo pessoal

O Corpo de Bombeiros acredita que o animal viva próximo ao local, pois é comum a circulação de jacarés e capivaras na área verde.

Celso, que tem dois metros de comprimento, já havia sido resgatado pelo Corpo de Bombeiros enquanto andava na Avenida Historiador Rubens de Mendonça (CPA).

O comandante do Batalhão Ambiental, coronel Rodrigo Eduardo Costa, alerta para os riscos do contato com os animais silvestres.

Ele observa que é importante que aquele que encontrar um animal silvestre deve acionar a unidade militar ambiental, pois lá há profissionais habilitados para o resgate ou monitoramento do bicho até local onde vive.

Tamanduás, cobras, ouriços e jacarés, reforça o comandante, estão entre os animais que representam perigo à segurança de quem deles se aproxima com o objetivo de fazer imagens, filmar ou fotografar.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.