PM prende trio caçando macacos-prego em Peruíbe, SP

PM prende trio caçando macacos-prego em Peruíbe, SP
FLAGRANTE: jovens foram levados até o plantão policial de Araçatuba. (Foto: Divulgação)

Policiais militares detiveram na manhã desta terça-feira, dia 5 de maio, três homens da cidade de Peruíbe, litoral paulista (ao lado de Itanhaém) caçando macaco-prego próximo do campus da Unesp de Araçatuba, onde existe uma mata com grande quantidades de macacos.

Os animais seriam vendidos no mercado clandestino podendo custar até R$ 20 mil, segundo um dos envolvidos detido pela polícia militar.

De acordo com a polícia, há dois dias funcionários da Unesp Araçatuba estavam percebendo a movimentação estranha dos suspeitos, que ficavam nas proximidades da grade localizada na rodovia Marechal Rondon.

No campus há muitos macacos soltos que vivem em uma pequena mata existente no local. Moradores de Araçatuba que conhecem o espaço chegam a alimentar os animais, visando preservar a espécie. Moradores de fora, quando visitam a Unesp, fazem vários registros fotográficos dos macacos, que geralmente interagem com as pessoas.

Tentativa

Funcionários perceberam ontem que os homens estavam caçando os animais e acionaram a Polícia Militar.

Uma equipe chegou por uma estrada de terra e flagrou dois homens carregando uma caixa semelhante às utilizadas para transporte de cachorros, onde havia um macaco.

Quando os rapazes viram os policiais eles jogaram a caixa e saíram correndo. A porta se abriu e um macaco que já havia sido capturado escapou. Eles tentaram correr em direção a um veículo Ecosport branco, onde um terceiro comparsa aguardava a dupla. No veículo, os policiais encontraram mais apetrechos para captura dos animais, inclusive as iscas, que eram ovos e bananas. Informalmente, um dos envolvidos disse aos policiais que o preço varia entre R$ 3,5 mil a R$ 20 mil por animal.

Os acusados são um auxiliar de enfermagem de 31 anos, um autônomo de 34 e um auxiliar de veterinário de 21 anos.

Eles foram detidos em flagrante e encaminhados ao plantão policial. Além de responderem pelo crime de caça e perseguição a animais silvestres, cada um recebeu uma multa de infração ambiental no valor de R$ 500. Eles foram liberados após prestarem depoimentos e registro de um termo circunstanciado.

Fonte: Folha da Região

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.