Polêmica após a morte de um condor logo ao ser resgatado na Argentina

Polêmica após a morte de um condor logo ao ser resgatado na Argentina
Foto: Sala de Prensa Ambiental.

Os vizinhos socorreram o condor, mas a falta de conhecimento e o fato de não terem avisado as entidades oficiais podem ter provocado a morte desta espécie em perigo de extinção

Há poucos dias, o site Sala de Prensa divulgou vídeos através do YouTube em que é possível assistir a um grupo de moradores de San Antonio de Arredondo, localidade a cerca de oito quilômetros de Villa Carlos Paz e a 45 quilômetros do Parque Nacional Quebrada del Condorito, Argentina, na tentativa de resgatar um condor que havia sobrevoado a zona urbana de uma cidade vizinha. 

O fato ocorreu no último dia 21, quando vários moradores perceberam a presença pouco comum de um condor macho adulto pousado sobre um tanque de água de uma residência. Era um macho jovem, que horas depois acabaria sendo resgatado pelos moradores preocupados em ver a espécie cujo habitat natural não era aquele, e por isso decidiram devolvê-lo ao seu lugar de origem, em uma operação que acabou provocando um desfecho fatal. 

A verdade é que, segundo informou a Sala de Prensa Ambiental, “os maus-tratos ao animal, o trato inadequado, o absoluto desconhecimento e a improvisação” foram fatores que  constituíram “uma situação torturante” para o condor que, lamentavelmente, morreu  poucas horas depois de ser trasladado sem os elementos específicos e sem os modos  adequados que a situação requer nestes casos pontuais para aves de rapina, como por exemplo, imobilizá-lo e envolver as asas para diminuir o risco de serem machucadas, e até mesmo colocar-lhe um capuz para evitar que o animal se estresse com o traslado.

De acordo com os dados obtidos pelos vídeos divulgados, este condor que visitou San Antonio por algumas horas terminou nas mãos de pessoas com boa vontade, mas sem ferramentas e conhecimentos necessários para socorrê-lo. 

Além dessa frustrada “operação resgate”, realizada pelos vizinhos e “com a presença de funcionários da Polícia Provincial e, inclusive, do próprio Município de San Antonio de Arredondo”, que queria apenas “liberá-lo”, segundo as testemunhas, mas que mesmo assim, intervieram “sem notificar a autoridade encarregada, que neste caso é a Polícia Ambiental de la Provincia”, a maneira especifica ainda que a peripécia em solo não somente  acarretou a morte prematura do animal como também o expôs a “um risco sanitário”.

Seja por desconhecimento ou omissão, os participantes do resgate reconheceram  que  era algo absolutamente necessário, uma vez que  o animal corria risco de vida por estar sobrevoando muito mais baixo do que normalmente está acostumado, mas que acabaram sendo os precursores de um final irreversível para uma ave reconhecida como “uma espécie em perigo de extinção” e cuja população se estima em cerca de 130 exemplares em toda a Provincia de Córdoba.

Tradução de Katia Buffolo

Fonte: Vía Carlos Paz

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.