Polícia apura possíveis casos de intoxicação de cães no Centro Cívico em Curitiba, PR

Polícia apura possíveis casos de intoxicação de cães no Centro Cívico em Curitiba, PR
Foto: Arquivo/ CMC

A Polícia Civil do Paraná (PCPR), por meio da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA), está apurando um relato que tem circulado nas redes sociais nos últimos dias, o qual dá conta de que cachorros que passeiam na região do Centro Cívico, em especial pelo gramado do Museu Oscar Niemeyer (MON) e da Praça Nossa Senhora da Salete, estariam sofrendo intoxicações ou até mesmo envenenamentos.

O caso começou a ganhar repercussão nesta semana, depois da médica veterinária Carolina Scheffel publicar em seu Instagram uma alerta aos donos de cães que costumam passear por aquele local. Na publicação, o relato é de que “há suspeita de envenenamento de cãezinhos nesses lugares [MON e Praça Nsa. Sra. da Salete]”, inclusive informando que “aparentemente alguém escondeu petiscos envenenados nos canteiros do gramado”.

Depois dessa primeira publicação, a veterinária voltou às redes sociais e contou que, na verdade, pode ter acontecido uma intoxicação de alguns animais por causa de algum produto que a Prefeitura de Curitiba está passando para fazer a limpeza de bancos públicos e pontos de ônibus. “Talvez esse produto tenha caído no chão, os cães tenham lambido e se intoxicado. É uma possibilidade, a gente não tem como saber. Então vamos ficar espertos. Ao passear com o seu cãozinho, não deixar ele ficar lambendo os locais onde a gente acha que a prefeitura tenha passado. Deus queira que não seja nennhuma pessoa má querendo envenenar”, afirma a veterinária.

Durante a tarde de ontem, o Bem Paraná entrou em contato com cinco clínicas veterinárias que ficam na região do Centro Cívico. Duas delas até tinham conhecimento sobre a informação que circulava nas redes sociais, mas nenhuma recebeu algum caso de intoxicação ou envenenamento de animais nos últimos dias ou mesmo soube de algum cliente ou alguém próximo de um cliente que tenha tido esse tipo de problema.

A Polícia Civil, por sua vez, informou por meio do DPMA que até o começo da tarde não havia recebido nenhuma denúncia ou registrado algum boletim de ocorrência que desse conta de alguma situação desse tipo. De qualquer forma, o delegado Matheus Laiola informou que estaria realizando diligências para averiguar se a informação que circula em redes sociais procede e pediu que se enfatizasse a importância da denúncia e do boletim de ocorrência – é possível fazer a denúncia via 181 ou até mesmo na delegacia, indo diretamente até lá (a delegacia fica no Parque da Barreirinha) para registrar o B.O.

O Bem Paraná tentou contato, por meio do Instagram e do Facebook, com a veterinária Carol Scheffel. Até o fechamento desta reportagem, contudo, não havia obtido resposta.

Por Rodolfo Luis Kowalski

Fonte: Bem Paraná 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.