Polícia Civil finaliza inquérito sobre castração irregular de cão em república e indicia universitários por maus-tratos

Polícia Civil finaliza inquérito sobre castração irregular de cão em república e indicia universitários por maus-tratos
Polícia Ambiental resgatou o cachorro que foi castrado em uma república de estudantes em Presidente Prudente. Foto: Polícia Ambiental

A Polícia Civil finalizou, nesta quinta-feira (15), o inquérito que apurou a prática de maus-tratos a animal doméstico em relação à castração irregular de um cachorro feita por estudantes universitários em Presidente Prudente (SP). Os quatro investigados foram indiciados.

O cão foi resgatado pela Polícia Militar Ambiental no dia 14 de junho e as investigações começaram no dia seguinte.

Conforme o delegado responsável pelo caso, Mateus Nagano da Silva, dos quatro investigados, o último foi ouvido nesta quarta-feira (14).

“Ele confirmou todas as versões dos outros investigados. Ele confirmou que foi ele quem fez todo procedimento cirúrgico e salientou que higienizaram os instrumentos, o local, que adotaram os procedimentos adequados. Só que ele falou que sabia que ali não era o local adequado para fazer aquele tipo de cirurgia, no caso, a castração do animal”, explicou.

Nagano disse que esse estudante falou que foi contrário à filmagem, que mostra o animal antes do procedimento, e depois, quando já estava dopado.

“Ele falou que foi contrário à filmagem, que se assustou com o tamanho da repercussão que deu, que está arrependido e está ciente que foi indiciado, que vai responder ao processo”, salientou Nagano.

O inquérito já foi encaminhado para o Poder Judiciário. “O Ministério Público, nos próximos dias, possivelmente, vai denunciá-los pela prática prevista no artigo 32 da lei 9.630, de 1998, que é o crime de maus-tratos”, finalizou o delegado.

O cachorro Bud, que passou pela castração, foi adotado por um empresário de Presidente Prudente.

VÍDEO: cachorro foi castrado em uma república de estudantes

O caso

Um cachorro foi resgatado pela Polícia Militar Ambiental, na noite desta segunda-feira (14), em Presidente Prudente. O animal foi castrado em uma república de estudantes universitários, dos cursos de medicina veterinária e zootecnia, segundo a corporação (assista ao vídeo acima).

A polícia informou que recebeu denúncias de que o proprietário de um cão estaria postando vídeos nas redes sociais, que mostravam o animal sendo mutilado.

No local indicado, no Jardim Vale do Sol, a equipe constatou que se tratava de uma república de estudantes e que os autores dos vídeos não estavam na residência.

Materiais usados na castração foram localizado nas república. Foto: Polícia Ambiental
Materiais usados na castração foram localizado nas república. Foto: Polícia Ambiental

Segundo a polícia, quatro estudantes realizaram o procedimento, filmaram e publicaram as imagens nas redes sociais.

A Universidade do Oeste Paulista (Unoeste) divulgou nota sobre o ocorrido e sobre identificação dos estudantes. E, depois, comunicou a expulsão dos quatro rapazes.

O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP) divulgou uma nota de repúdio em relação à castração irregular do cachorro.

Nas imagens, é possível ver o cachorro em dois momentos:

  • O primeiro, antes de ser sedado. A pessoa fala: “Últimos momentos do cachorro branco estar feliz. Preparando o centro cirúrgico”. Ao fundo, é possível ver uma mesa e alguns materiais e ouvir a pessoa rindo.
  • Já na mesa, a mesma voz relata que nunca viu o cachorro tão “quietinho”. “O que aconteceu? Você não tem mais o controle do seu corpo? Você está drogado? O que foi?”, fala a pessoa enquanto ri novamente.

Como os cães foram encontrados
 
Os policiais encontraram dois cães no quintal, sendo um deles de cor branca, da raça labrador, “aparentando estar sedado e com dificuldade de locomoção e com uma sutura próximo ao órgão genital, aparentando ter sofrido castração”.

“Foi localizada também a mesa em que foi feito o procedimento cirúrgico, bem como os materiais utilizados como luvas cirúrgicas, gazes sujas de sangue, embalagens com agulhas, fio de sutura, seringas e em uma lata de lixo estava o testículo do animal”, explicou a Polícia Ambiental.

A corporação afirmou também que um médico veterinário foi até o local e “atestou que o animal passou pelo procedimento de castração”.

O profissional também é membro do Conselho Municipal de Proteção Animal e presidente do grupo de proteção animal “Beco da Esperança”, que ficou responsável pelo cão até sua total recuperação.

“A Polícia Ambiental realizou uma ação juntamente com o policiamento territorial de um resgate de dois cães, um deles sofreu maus-tratos através de mutilação em procedimento cirúrgico, em local completamente inadequado, causando sofrimento ao animal. São quatro indivíduos, estudantes, universitários, em um pensionato realizaram esse procedimento, filmaram, publicaram, de maneira que zombam até do animal, do sofrimento que causam no animal e essa prática configura maus-tratos”, disse o capitão Júlio César Cacciari de Moura, oficial da Polícia Ambiental.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.