Polícia Civil indicia rapaz que matou pássaro por maus-tratos a animais

Polícia Civil indicia rapaz que matou pássaro por maus-tratos a animais

Servidor público de Cordeirópolis aparece em vídeo batendo em um pardal. Ele e outro funcionário que filmou a cena foram afastados da Prefeitura.

Por Marcello Carvalho

A Polícia Civil de Cordeirópolis (SP) indiciou por maus-tratos a animais o funcionário da Prefeitura que bateu em um passarinho até a morte. A ação foi gravada em vídeo e divulgada nas redes sociais. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP-SP), o delegado titular do município, William Marchi, ouviu o depoimento do homem e também do servidor público que realizou a filmagem e enviou um termo circunstanciado para o Juizado Especial Criminal. Os dois não foram presos, mas foram afastado de suas funções.

Ainda segundo a Polícia Civil, agora cabe à Justiça decidir se os dois servidores serão julgados pela ação, que foi gravada dentro do prédio da Prefeitura de Cordeirópolis. No vídeo, o homem dá tapas na cabeça do animal e depois o joga contra uma parede. Por fim, ele pega novamente a ave e diz: “Você não vai mais sujar meu carro e bicar tudo”.

SP cordeiropoplis mata pardal xxxxxxxNo início da gravação, o rapaz olha para a câmera e afirma que as pessoas iriam ver “a morte do pardal”. As imagens foram postadas no perfil do servidor em uma rede social na quarta-feira (10), segundo a Prefeitura, mas na manhã de sexta-feira (12) já tinham sido retiradas. No entanto, moradores da cidade compartilharam o vídeo em páginas de ativistas ambientais e denunciaram o caso no site da Polícia Ambiental.

O G1 entrou em contato com o Juizado Especial Criminal, mas até a publicação desta notícia não obteve retorno. A reportagem também tentou contato com os servidores, mas não foi atendida.

Afastamento

A Prefeitura afirmou que os dois funcionários trabalham na Secretaria de Saúde e foram afastados. Além de pedir o afastamento, a Pasta abriu um processo administrativo contra os servidores.

Ainda de acordo com a Secretaria de Saúde, após a conclusão do processo administrativo, os dois homens podem ficar afastados por mais tempo ou até serem exonerados do cargo. No entanto, a Prefeitura não informou a função e nem os nomes dos funcionários. Os dois servidores são concursados.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.