Polícia Civil instaura inquérito para investigar matança de 15 gatos no Polo Gustavo Braga, em Fortaleza, CE

Polícia Civil instaura inquérito para investigar matança de 15 gatos no Polo Gustavo Braga, em Fortaleza, CE

A matança de 15 gatos registrada na madrugada dessa terça-feira, 4, no Polo Gustavo Braga, no bairro Damas, passará por investigação da Polícia Civil. As mortes em série dos animais já foram registradas pelo menos duas vezes nos últimos três meses. Em junho deste ano, 20 felinos foram encontrados agonizando no espaço após serem espancados. À época, o bastão usado para a violência estava próximo aos bichos.

Delegado titular da 1ª Delegacia de Crimes Ambientais do Ceará, Hugo Linad ressaltou que as ações de maus tratos configuram crime ambiental. “É preciso mudar essa forma de pensar equivocada de que os animais, porque estão na rua, são um mal por si só e podem ser agredidos”, afirmou.

A punição está prevista no artigo 32, da Lei 9.605/98, com prisão para os réus variando entre três meses e um ano, além de multa. Em caso de morte dos animais, a pena pode ficar entre um sexto e um terço mais severa.

Casos recorrentes 

De acordo com Gabriela Moreira, presidente da organização não governamental Deixa Viver, de proteção aos animais, as agressões são registradas constantemente no Polo Gustavo Braga.

A representante da entidade revelou que a comunidade do entorno tem resistência à presença dos animais na área. “Recentemente, uma pessoa de lá chutou uma gata grávida e ameaçou a protetora da região. Estamos em busca de fazer a identificação”, disse.

Segundo o delegado, o Polo se configura como ponto de abandono e precisa ser monitorado. “A população, ao invés de agredir, precisa agir preventivamente contra o abandono. Uma vez constatada a presença de animais, é importante solicitar a castração ao poder público ou às entidades que fazem esse serviço”, orientou.

Por Igor Calvacante

Fonte: O Povo Online

Matança de 15 gatos registrada no Polo Gustavo Braga, no bairro Damas, em Fortaleza, CE

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.