Polícia Civil investiga maus-tratos a pitbull em Prado, MG

Polícia Civil investiga maus-tratos a pitbull em Prado, MG

Animal foi resgatado, mas não sobreviveu após chegar em clínica; tutor será chamado a prestar depoimento.

Por Isabela Meireles

MG Prado pitbull

A Polícia Civil está investigando um suposto caso de maus-tratos a um cão da raça pitbull. O animal, que era tutelado a um morador do bairro Prado, na região Oeste de Belo Horizonte, morreu após ser encaminhado a uma clínica veterinária na última segunda-feira.

“Ele chegou aqui para dar um último suspiro. Estava anêmico, com o corpo cheio de feridas em carne viva, vários tumores de pele e caquético. Pesava menos de 20 kg, o que, para um pitbull, é muito abaixo do esperado”, contou a veterinária Patrícia Freitas, que recebeu o cão.

O protetor de animais Charles Porto, 53, foi quem procurou o dono da residência e pediu para levar o animal embora. “A princípio, ele não permitiu minha entrada. Xingou e brigou, mas depois consegui convencê-lo”, contou. Segundo Porto, o animal era mantido em uma área pequena e úmida há vários meses.

Ainda conforme Patrícia, os ferimentos do cão não eram resultados de agressão física. “Não acredito que teve agressão. Foi negligência mesmo dos donos. Ele foi apodrecendo vivo”, disse a veterinária. Chocada com o estado em que o cão chegou, ela criou um abaixo-assinado na internet para pedir que os donos do animal fossem punidos por maus-tratos.

Apesar da situação em que o pitbull foi encontrado, uma moradora do prédio onde o tutor do animal mora afirma que nunca percebeu problemas com os vizinhos.

Polícia.Um boletim de ocorrência foi registrado pela advogada Val Consolação. “Eu não tenho dúvida nenhuma que vai ter uma punição. Foi criminoso. Para mim é sadismo”, argumentou. O caso está sendo investigado pela 2ª Delegacia de Meio Ambiente da Polícia Civil.

De acordo com o chefe da chefe da Divisão de Meio Ambiente, Aloísio Fagundes, uma pessoa já foi ouvida sobre o caso. O tutor do cão será chamado para prestar depoimento. Ele não foi encontrado pela reportagem.

Fonte: O Tempo

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.