Polícia da Índia apreende 58 camelos por causa de “crueldade” e enfrenta dificuldade para alimentar e manter os animais

Polícia da Índia apreende 58 camelos por causa de “crueldade” e enfrenta dificuldade para alimentar e manter os animais
Camelos

Em meio a notícias de justiceiros pelas vacas, surgiu um caso de justiça por camelos no distrito de Amravati. Após uma denúncia de um ativista de 71 anos de Hyderabad, a polícia apreendeu 58 camelos perto de Dhamangaon, a cerca de 50 km da cidade de Amravati. O autor da denúncia — Jasraj Rupchand — alega que os camelos estavam sendo levados para Hyderabad para serem abatidos. Os tutores dos animais dizem que os mesmos estavam sendo trazidos de Kutch para serem usados como animais de carga.

A FIR diz que o rebanho estava sendo trazido de Rajasthan, a 1.200 km de distância — o que configura crueldade. Como não há proibição de abate de camelos em Maharashtra, apenas um caso de crueldade animal foi registrado. Agora, desde que a polícia tomou posse do rebanho, alimentar e manter os camelos se mostrou ser uma tarefa gigantesca.

Não há lugar grande o suficiente para manter os animais em Dhamangaon. A acomodação só poderia ser providenciada em um abrigo para vacas em Amravati. A polícia pediu aos mesmos pastores de quem os camelos foram apreendidos que os conduzissem até Amravati. Seguindo rigorosamente as normas contra a crueldade animal, os policiais e pastores caminham apenas 14 km por dia. A viagem de 50 km, que leva quatro dias, deve terminar na terça-feira, relatou o policial responsável pelo caso.

Os pastores agora terão que fazer uma petição ao tribunal para garantir a custódia dos camelos, disse o oficial.

Jasraj diz: “Não há lei contra o abate de camelos, nem mesmo em Telangana. Os camelos estavam sendo levados para o abate e sendo sujeitos a dificuldades durante a viagem.”

Os camelos estavam sendo trazidos por membros da comunidade Rabari. Os Rabaris — pastores de ovelhas originários de Gujarat — vivem em Vidarbha e Chhattisgarh há pelo menos cinco décadas. Tendo as ovelhas como pilar de seu sustento, os semi-nômades Rabaris vivem em acampamentos na periferia das aldeias e usam camelos como meio de transporte no interior. Eles haviam se mudado para cá devido à escassez de água em seu estado natal.

Mashtru Rabari, um membro sênior, disse que os camelos estavam sendo levados para seus assentamentos em Nagpur, Wardha e Raipur a fim de serem usados por membros da comunidade como meios de transporte. A FIR diz que eles estavam sendo trazidos de Rajasthan, o que os Rabari contradizem, dizendo que eram de Kutch, compartilhando documentos emitidos de lá. “Começamos nossa jornada há um mês e meio”, disse ele. O único meio de atravessar mais de 1.000 km até Vidarbha ou ir mais longe até Chhattisgarh é a pé.

Jasraj, autor da queixa, disse que recebeu uma denúncia e dirigiu de Hyderabad para fazer a queixa na polícia de Amravati.

No entanto, a ação deixou outro ativista, que trabalha para pastores, ofendido. Sajal Kulkarni, que trabalha com pastores, disse: “Os Rabaris vivem em Vidarbha há gerações e usam camelos apenas para transporte”.

“Nós, Rabaris de Gujarat, só criamos camelos machos. Isso se deve a uma crença religiosa de que as fêmeas não devem ser usadas como animais de carga. Por esse motivo, animais novos precisam ser trazidos de Kutch em intervalos regulares para manter um rebanho”, acrescentou Mashtru.

Há dois anos, a queixa de Jasraj havia levado a uma ação semelhante. Os camelos apreendidos foram para uma ONG na época, disse ele.

Por Shishir Arya / Tradução de Alda Lima

Fonte: The Times of India


Nota do Olhar Animal: Tradição alguma é mais relevante que os interesses dos animais em viver, em desfrutar de sua vida, em não sofrer. Tradições que violem estes interesses devem ser banidas, independentemente da cultura em que esteja inserida.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.