Polícia Florestal abate cabras ‘para preservar ecossistema’ na Madeira, Portugal

Polícia Florestal abate cabras ‘para preservar ecossistema’ na Madeira, Portugal

À semelhança do que tem vindo a acontecer em outros anos, a Polícia Florestal voltou hoje a realizar uma acção de correcção da cabra da Deserta Grande.

Segundo Manuel Filipe, presidente do Instituto das Florestas e Conservação da Natureza (IFCN), “o objectivo é corrigir o número excessivo de animais, neste caso das cabras que existem na Deserta Grande e que colocam em perigo o ecossistema, assim como muitas espécies endémicas da flora”.

 “É importante também referir que a cabra no passado foi introduzida na ilha e, portanto, causa um desequilíbrio ecológico na própria ilha”, disse, acrescentando que recentemente o Conselho da Europa quando renovou o título de área protegida das Desertas recomendou que fosse feito o controlo da cabra como forma de garantir a qualidade da reserva.

Fonte: The World News / mantida a grafia lusitana original


Nota do Olhar Animal: Mais uma situação em que o ambientalismo se opõe à defesa dos interesses dos animais. Ambientalistas de forma geral não veem problema no massacre de animais em nome do “equilíbrio ecológico”, desconsiderando totalmente os interesses mais básicos destes seres, como o interesse em viver. Vale a leitura do artigo “Por que devemos dar consideração moral a seres sencientes em vez de ecossistemas”, da ONG Ética Animal. Segue abaixo.

Por que devemos dar consideração moral a seres sencientes em vez de ecossistemas

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.