Polícia indicia servidores da Prefeitura de Bom Jesus (RS) por morte de animais

Polícia indicia servidores da Prefeitura de Bom Jesus (RS) por morte de animais

Quatro pessoas vão responder por maus-tratos e associação criminosa. 126 cachorros e três gatos morreram envenenados no município gaúcho.

RS bomjesus caes mortosQuatro pessoas foram indiciadas pela Polícia Civil por maus-tratos e associação criminosa na matança premeditada de 126 cachorros e três gatos em Bom Jesus, município da Serra do Rio Grande do Sul. Todos são servidores da Prefeitura Municipal e usaram veneno para matar os animais. As mortes foram registradas no fim de novembro.

De acordo com o delegado Flademir Paulino de Andrade, responsável pela investigação, a perícia comprovou que os cachorros e gatos foram envenenados, mas o tipo de veneno usado ainda não foi identificado.

“As pessoas foram indiciadas pela prática do crime de maus-tratos contra animais, com pena majorada pelas mortes, e por terem sido praticadas em continuidade delitiva, ou seja, pelo fato de elas terem, na mesma noite, realizado várias ações que resultaram na prática do crime”, sustenta o delegado.

RS bomjesus operacaoNo último sábado (29), foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão na casa dos indiciados, em Bom Jesus. Foram apreendidas substâncias utilizadas como veneno, mas ainda não há provas suficientes para afirmar que o material recolhido foi utilizado para envenenar os animais.

Segundo a Polícia Civil, os indiciados terão suas identidades preservadas por não terem sido presos em flagrante e por ainda não terem sido condenados.

Todos os quatro envolvidos, segundo o delegado, trabalham na Prefeitura de Bom Jesus. “Não há comprovação de participação da administração municipal nos fatos, sendo comprovado no inquérito policial que pessoas que trabalham na prefeitura, de forma conjunta, mas por decisões apenas delas, resolveram promover a matança dos animais”, esclarece.

Se condenados, as penas poderão chegar a dois anos de prisão pela prática do crime de maus-tratos contra os animais e a três anos de reclusão pela prática do crime de associação criminosa.

Fonte: G1 

Nota do Olhar Animal: Comprovada a participação da administração municipal, Ministério Público e ONGs podem acionar a Justiça para que o prefeito seja afastado por improbidade admnistrativa.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.