Polícia investiga a morte de 20 cães com veneno e tiros em Rio Pardo, SP

Polícia investiga a morte de 20 cães com veneno e tiros em Rio Pardo, SP

Serralheiro acusa um fazendeiro de cometer os crimes contra os animais. Segundo ele, suspeito dizia que os cachorros matavam bezerros de sítio. 

SP riopardo caesmortos7483

A Polícia Civil de São José do Rio Pardo (SP) investiga a morte de pelo menos 20 cachorros nas últimas semanas por envenenamento ou tiros, em uma estrada de terra que liga Rio Pardo a Mococa. Um morador da região acusa o dono de uma fazenda que fica próximo ao local. Um parente dele negou as acusações.

A reportagem do Jornal da EPTV teve acesso a dois vídeos que mostram o sofrimento de uma cadela pouco depois de ser envenenada. Em um deles ela está no banheiro, agitada e ganindo. Em outro, ela aparece agonizando. O animal morreu antes da chegada do veterinário. Os donos não quiseram dar entrevista.

O serralheiro Paulo Cipriano é amigo da família e afirmou que os crimes foram cometidos por um fazendeiro da região, que teria alegado que os animais mataram os bezerros de seu sítio. “Ele envenenou o cachorro na porta da casa da mulher. Ele chegou matar cachorro na frente do dono. Em outro sítio ele matou um cachorro amarrado em uma corrente. Tem cachorro de 30 centímetros de altura, como ia matar um bezerro como ele alegou?”, questionou.

SP riopardo morte caesO serralheiro afirmou ainda que foi ameaçado pelo fazendeiro. “Foi lá brigar comigo porque eu estava tratando dos cachorros na estrada em frente à fazenda dele. Ele disse que se eu não parasse de tratar eu ia me dar mal”, disse.

Investigação

Dois boletins de ocorrência foram registrados: um por ameaça e outro por abuso contra animais. A Polícia Civil informou que um inquérito vai investigar os casos e o suspeito será chamado para prestar depoimento até o fim desta semana. O crime ambiental para maus-tratos de animais pode resultar em prisão de 3 meses a um ano, além de multa.

A presidente da União Protetora dos Animais Rio Pardense (Unir), Sônia Galera, afirmou que os casos de mortes estão comuns nos últimos meses. “Nós estamos procurando e tentando verificar quem está fazendo isso para tomar providências”, afirmou.

A reportagem do Jornal da EPTV ligou para a casa do suspeito de matar os animais e uma pessoa, que se identificou como filha, disse que ele não cometeu esses crimes e que está viajando fora do estado.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.