Polícia investiga maus-tratos a cachorros abandonados em Niterói, RJ

Polícia investiga maus-tratos a cachorros abandonados em Niterói, RJ
Os cachorros aparentavam estar subnutridos. Foto: Reprodução

A Polícia Civil abriu um inquérito para apurar maus-tratos a quatro cachorros que estão abandonados em uma casa em Jurujuba, Niterói, na Região Metropolitana do Rio. Os policiais da 79ªDP (Jurujuba) receberam denúncia de que os animais estão sendo mantidos em uma casa onde há fezes e urina no chão. Os animais serão resgatados neste fim de semana e levados para um abrigo da região.

A polícia apurou que os cachorros foram deixados por seus tutores, um casal, com uma idosa que cuidaria dos animais durante uma semana. Segundo foi apurado pelos agentes, a mulher deixou os animais abandonados no local. Em fotos recebidas pela delegacia, os animais, que já estão na casa há cinco meses, aparentam estar subnutridos. Nas imagens, é possível ver que o chão do local onde eles são mantidos está repleto de fezes e urina.

O crime de maus tratos a animais está previsto na Lei de Crimes Ambientais e tem pena de três meses a um ano de detenção, além de multa.

Os cachorros estavam abandonados .Foto: Reprodução
Os cachorros estavam abandonados .Foto: Reprodução

Na última quarta-feira, cães e gatos vítimas de maus-tratos foram resgatados de dentro de uma casa em Piedade, na Zona Norte do Rio. De acordo com informações da “força-tarefa” organizada para resgatar os animais, os seis gatos e seis cachorros retirados do local viviam em um ambiente insalubre, estavam em estado avançado de inanição e defecavam sangue. Segundo informações da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente, os responsáveis responderão criminalmente.

A denúncia de maus-tratos foi feita por vizinhos indignados com o tratamento dado aos bichos. Após receber a reclamação, representantes da Comissão de Defesa dos Animais da Câmara de Vereadores do Rio, policiais e integrantes da Subsecretaria Municipal de Bem-Estar Animal foram ao local.

Por Carolina Heringer

Fonte: Extra

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.