Polícia investiga mortes de gatos com sinais de envenenamento em condomínio particular em Macapá, AP

Polícia investiga mortes de gatos com sinais de envenenamento em condomínio particular em Macapá, AP
Gato Romeu era o pet da estudante Vivian Soares — Foto: Vivian Soares/Arquivo Pessoal

A Polícia Civil do Amapá, por meio da Delegacia de Meio Ambiente (Dema), iniciou uma investigação sobre a morte de gatos com sinais de envenenamento em um condomínio particular na Rodovia Duca Serra, na zona oeste de Macapá.

VÍDEO: Polícia Civil investiga casos de envenenamento de gatos em condomínio de Macapá

O caso começou a ser investigado no sábado (9), quando os tutores dos animais decidiram denunciar as mortes.

A Polícia Civil do Amapá, por meio da Delegacia de Meio Ambiente (Dema), iniciou uma investigação sobre a morte de gatos com sinais de envenenamento em um condomínio particular na Rodovia Duca Serra, na zona oeste de Macapá.

O caso começou a ser investigado no sábado (9), quando os tutores dos animais decidiram denunciar as mortes.

Lívia Pontes, delegada titular da Dema — Foto: Jorge Júnior/Rede Amazônica
Lívia Pontes, delegada titular da Dema — Foto: Jorge Júnior/Rede Amazônica

Segundo a delegada Lívia Pontes, titular da Dema, uma das ações dos policiais será a apuração das imagens do circuito de segurança do residencial, na tentativa de identificar provas para os crimes de maus-tratos contra animais.

“A partir dessas informações preliminares, a Dema iniciou uma investigação para ser instaurado inquérito policial. Vamos verificar as imagens do circuito interno do residencial na tentativa de identificar materialidade e saber o que houve”, disse.

A pena para o crime de maus-tratos contra animais pode resultar em 2 a 5 anos de reclusão, além de multa e proibição de guarda do pet, informou a delegada.

Uma das pessoas que teve o animal de estimação morto foi a Vivian Soares. A estudante contou que a família começou a procurar o gatinho Romeu, de um ano e sete meses, depois que ele ficou um dia sem aparecer na casa da família.

“A gente já começou a desconfiar que tinha alguma coisa errada, porque ele nunca ficava tanto tempo fora de casa. No outro dia, a gente fez uma nota de desaparecimento e publicamos no grupo do condomínio. No outro dia, o moço que retira o lixo disse que encontrou o corpo de um gato. A gente foi para o local e ficou confirmado que era o nosso gato”, detalhou Vivian.

Estudante Vivian Pontes — Foto: Rede Amazônica/Reprodução
Estudante Vivian Pontes — Foto: Rede Amazônica/Reprodução

Ainda de acordo com a estudante, no residencial há moradores que são publicamente contra a criação de animais de estimação. Depois do ocorrido, Vivian pede apenas que a justiça seja feita.

“Tem alguns moradores dentro do meu residencial que defendem abertamente o uso de chumbinho para envenenamento de gatos, fazem piada com isso. Tudo que eu peço é justiça, porque ele dormia comigo e não tem um dia que eu durmo em paz desde que a gente encontrou o corpo dele. Eu só quero entender o que aconteceu”, disse a estudante.

Os crimes de maus-tratos contra animais podem ser denunciados por meio do número (96) 98148-7378, na delegacia mais próxima ou no site “policiacivil.ap.gov.br”.

Por Kelison Neves e Victor Vidigal

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.