Polícia investiga série de sequestros no centro de zoonoses de Poços de Caldas, MG

Polícia investiga série de sequestros no centro de zoonoses de Poços de Caldas, MG

A Polícia Civil está investigando uma série de furtos ao Centro de Controle de Zoonoses de Poços de Caldas (MG). Desde o começo do ano, o local foi invadido 11 vezes. O último caso há uma semana, quando cinco cavalos foram levados, e deixou o estábulo do centro vazio. Ao todo, 28 animais já foram sequestrados em 2018.

Nas primeiras vezes, os ladrões arrebentaram os cabos de aço que cercavam o local. Barras de aço foram instaladas para impedir que os furtos voltassem a acontecer, mas isso não impediu a ação dos criminosos. Na semana passada, eles foram ao centro, arrebentaram um cadeado, forçaram a barra lateral, quebraram uma chave tetra e conseguiram acesso ao local.

“A gente tentou resolver de alguma forma o problema, mas eles conseguiram do mesmo jeito arrombar aqui e levar os animais”, afirma , Elis Roberti Perlato do Lago,responsável pelo centro.

No início deste ano começou a vigorar na cidade, a lei que estipula uma multa aos proprietários de animais apreendidos em vias públicas. Com isso, quem tem um animal apreendido, tem que pagar atualmente R$ 186,50 para retirá-lo.

Elis diz ainda que os furtos começaram depois que a lei entrou em vigor.

“A partir disso começaram os furtos, porque antes o animal era apreendido, o proprietário vinha aqui e simplesmente retirava o animal. Agora ele tem que pagar uma taxa para poder retirar o animal daqui”, explica. “[Se for reincidente] a taxa dobra”.

Além de comunicar todos os furtos à polícia, os funcionários do centro de zoonoses já estudam outras maneiras de impedir novos furtos.

“Teria que ter câmera, alguma coisa assim, que a gente está vendo para colocar. Câmera, segurança, para colocar aqui para não haver mais furtos”, diz.

Funcionários do centro de zoonoses tentam evitar novos furtos de cavalos em Poços de Caldas — Foto: Marcelo Rodrigues/EPTV

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.