Polícia investiga tentativa de assassinato de cachorros na Grande Florianópolis, SC

Polícia investiga tentativa de assassinato de cachorros na Grande Florianópolis

Dois cachorros, uma fêmea e um macho, da raça Labrador Retriever, foram atingidos por tiros no bairro Barro Branco, em São Pedro de Alcântara, na Grande Florianópolis. Os cães foram encontrados pela tutora após ela chegar de viagem, em 23 de agosto.

Os cães têm 1 anos e 5 meses de idade. Apesar de terem sobrevivido ao ataque, a fêmea corre risco de perder a visão de um dos olhos. A Polícia Civil de São José investiga a autoria do crime. A suspeita é de que os tiros tenham sido desferidos por espingarda ou arma de pressão. Os projéteis que atingiram os animais eram de metal.

A tutora Launi da Silva contou que uma vizinha que ficou responsável pelo cuidado dos animais durante o período da viagem foi quem encontrou os cães feridos. Ela tinha ido ao sítio na manhã daquela sexta-feira alimentar os labradores.

A vizinha encontrou os labradores perto do espaço onde dormem, ensanguentados, mas com vida. Ela avisou a tutora dos animais que retornou para casa imediatamente. Um boletim de ocorrência foi registrado.

Fêmea corre risco de ficar cega

Os cães foram submetidos a atendimento veterinário e a exames radiológicos já no dia dos fatos. A médica veterinária Simone Maria do Vale, que fez o primeiro atendimento, acredita que os animais foram atingidos por “chumbo” e que os tiros foram disparados por uma espingarda de pressão.

Da cachorra Pitch (à esq.) foram retirados 30 projéteis. O cão Max foi atingido por principalmente na região pélvica e cervical – Foto: Divulgação/ND

Da face da fêmea Pitch, foram retirados 22 pedaços do material metálico. A cadela corre risco de ficar cega do olho direito, pois os pedaços ocasionaram uma úlcera na córnea.

Um exame radiográfico feito também no dia 23 de agosto apontou que ainda há 24 pedaços de metal no crânio da cachorra. Segundo a veterinária, a dificuldade se dá pela profundidade alcançada pelos pedaços de metal nos músculos dos cães.

Apesar dos trinta projéteis retirados, a cadela Pitch ainda ficou com 24 pedaços alojados no crânio. Os pontos brancos no raio x indicam os projéteis ainda alojados. – Foto: Janaína Demarco/Divulgação/ND

Já o macho Max foi atingido em várias regiões do corpo. Apenas um projétil foi retirado. O exame radiográfico feito pela veterinária Janaína Demarco apontou que há 14 pedaços de metal alojados na região cervical e região pélvica. Os cães não sofreram fraturas ósseas.

No cachorro Max, os projéteis ficaram alojados principalmente na região pélvica e cervical – Foto: Janaína Demarco/Divulgação/ND

Maus-tratos contra animais consiste em crime ambiental. O artigo 32 da lei de Crimes Ambientais prevê detenção de três meses a uma ano, acompanhada de multa, para situações nas quais os animais são vítimas de abuso, maus-tratos, ferimentos ou mutilação.

Cães antes de serem agredidos. – Foto: Reprodução/ND

Fonte: ND Mais

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.