Polícia Militar Ambiental resgata pássaros mantidos em cativeiro ilegalmente em Marília, SP

Polícia Militar Ambiental resgata pássaros mantidos em cativeiro ilegalmente em Marília, SP

Por Cap. PM Ewerton Ricardo Messias

Nesta quinta-feira, 30 de junho, policiais militares do 2º Batalhão de Polícia Militar Ambiental, destacados no 1º Pelotão de Marília/SP, em atendimento a denúncia contra a fauna silvestre no bairro Vista Alegre, apreenderam dezenove pássaros silvestres nativos, das espécies Pássaro Preto, Sabia Pardo, Trinca Ferro, Sábia Poca e Sabia Barranco, sendo constatadas, também, adulterações em suas anilhas.

Diante disto, os policiais militares ambientais lavraram dois Autos de Infração Ambiental, totalizando de R$ 6.100,00, por ter em cativeiro espécime da fauna silvestre nativa, sem autorização do órgão ambiental competente e por introduzir espécime animal nativo (sabia Poca) no território do Estado de São Paulo ou fora de sua área de distribuição natural, sem parecer técnico oficial favorável e licença expedida pela autoridade competente.

Os pássaros foram encaminhados ao Instituto Médico Veterinário de Marilia, onde após avaliação, constataram que somente quatro animais possuíam condições de serem reintroduzidos na natureza, sendo, os demais, depositados temporariamente para readaptação e posterior reintrodução. O infrator responderá pelo crime ambiental de ter pássaro silvestre em cativeiro, cuja pena é de detenção de seis meses a um ano e multa; e o crime de adulteração de selo público, cuja pena é reclusão, de dois a seis anos, e multa.

A Polícia Militar Ambiental orienta que as denúncias sejam feitas através dos telefones 0800-0555-190, 181 (Disque Denúncia), EMERGÊNCIA 190, ou ainda diretamente às unidades da Polícia Militar Ambiental pelos telefones: (14) 3433.7199 – Marília; (14) 3496.5884 – Tupã; (18) 3323.5111 – Assis; (14) 3322.3077 – Ourinhos.

SP marilia passaros 2

Fonte: 4ª Companhia de Polícia Militar Ambiental de Marília de SP

MAIS NOTICIAS

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.