Polícia Militar prende 9 e desmantela rinha de galos que ocorria em Confresa, MT

Polícia Militar prende 9 e desmantela rinha de galos que ocorria em Confresa, MT

A Polícia Militar prendeu nove homens por maus-tratos a animais, após eles serem flagrados promovendo rinha de galo. O caso foi registrado na tarde de domingo (29) no setor Paraíso, em Confresa.

De acordo com informações repassadas ao site Olhar Alerta, após receberem a denúncia de que pessoas estariam colocando os animais para brigar e que teriam vários deles machucados, os policiais se dirigiram até a residência onde a rinha ocorria e flagraram a cena.

No local havia um ringue e diversos galos, vários deles feridos, alguns amarrados e outros em gaiolas. Em conversa, um dos suspeitos confessou ter abatido duas aves que não apresentaram bom desempenho para a briga. Apostas eram realizadas no local.

Ao todo, foram presos 9 homens entre 25 e 63 anos por maus-tratos a animais silvestres, domésticos ou domesticados. Vários itens utilizados durante as rinhas e apetrechos foram apreendidos no local.

Rinha de galos

A briga de galos, mais conhecida como rinha, embora seja uma prática proibida desde 1998 no Brasil, ainda vem acontecendo de forma clandestina. As rinhas de galo acontecem como forma de “esporte” para tutores de animais e apostadores, e movimentam um mercado clandestino que não leva em conta a saúde e os direitos dos animais. Eles podem sofrer diversos tipos de violência como ferimentos, mutilações e mudanças estéticas (como retirada de penas). Além disso, nas rinhas o uso de medicamentos são comuns para garantirem que os galos apresentem comportamento agressivo. A prática é criminosa, como é determinada pelo artigo 32 da Lei Federal nº 9.605/98 (conhecida como lei do meio ambiente) e a pena é de detenção, de três meses a um ano, e multa. A pena será aumentada em caso de morte do animal.

Os envolvidos foram presos pela Polícia Militar. Foto: PMMT
Os envolvidos foram presos pela Polícia Militar. Foto: PMMT

Fonte: Olhar Alerta

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.